Chinaglia nega 'briga' entre Câmara e TSE sobre cassação

Ele nega resistência em cassar o deputado 'infiel' e diz que adiou decisão porque ainda cabia recurso

Agência Brasil

19 de dezembro de 2008 | 14h40

O presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP), negou nesta sexta-feira, 19,  que tenha havido "briga" com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no caso da cassação do deputado Walter Brito Neto (PRB-PB). De acordo com Chinaglia, a Câmara não cassou o mandato do deputado quando saiu a decisão do TSE, porque ainda havia possibilidade de recurso no Supremo Tribunal Federal (STF).  "O ato de cassar, acatando a decisão do Supremo, é da Mesa (Diretora da Câmara dos Deputados)", explicou.   Veja também: Após resistência, Câmara declara perda de mandato de infiel  Entenda o caso do primeiro deputado cassado pelo TSE Suplente de infiel condena desobediência de Chinaglia com TSE Entenda a fidelidade partidária    Ele disse ainda que a comunicação oficial pelo TSE só ocorreu seis meses depois da decisão. Segundo Chinaglia, a cassação de Brito Neto foi feita no dia 27 de março e a comunicação só ocorreu no dia 8 de setembro.   Walter Brito Neto foi cassado por infidelidade partidária com base na resolução do TSE que determina que o mandato de parlamentar pertence ao partido. O deputado deixou o DEM para se filiar ao PRB alegando perseguição política. Mas, a justificativa não foi aceita pela Corte Eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.