Chinaglia não sabe quando enviará dados da CPI ao STF

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), disse nesta quinta-feira, 15, não saber ainda quando enviará as informações sobre a CPI do Apagão Aéreo ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello. Chinaglia disse que, quando receber o ofício, o enviará à assessoria jurídica para que elabore as explicações. O prazo é de até dez dias.Mello é o relator da ação movida por deputados de oposição que querem a criação da CPI para investigar a crise no setor. A decisão estava prevista para a última quarta-feira, mas o ministro resolveu pedir esclarecimentos à Câmara primeiro. Chinaglia disse que não condiciona a resposta ao Supremo à votação do recurso contra a instalação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), marcada para a próxima terça-feira. Desde a última segunda-feira, PFL, PSDB e PPS estão impedindo as votações para pressionar pela instalação da CPI. Mas nesta quinta-feira um projeto foi aprovado, o primeiro em uma semana. A proposta é o texto básico do projeto que obriga hotéis, bares e restaurantes de exibirem letreiros informando que é crime a prostituição e exploração sexual de crianças e adolescentes. A votação, no entanto, não havia sido concluída, porque a oposição continua em obstrução, para pressionar a instalação da CPI do Apagão Aéreo, e apresentou destaques que exigem votações separadas de pontos do projeto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.