Chinaglia descarta votação de MPs do PAC antes de 15 dias

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), informou nesta segunda-feira, 26, que as votações das medidas provisórias relativas ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) não devem ocorrer nos próximos 15 dias. Ele disse que a maioria dos relatores das nove medidas já estão analisando as emendas ao texto original do governo. "Não estou trabalhando com a hipótese de votar nenhuma das MPs antes de 15 dias", afirmou. As medidas provisórias do PAC estão na pauta de votações a partir desta segunda, mas só começam a trancar a pauta da Câmara no próximo dia 19 de março. Chinaglia informou que incluiu todas as 21 MPs, entre elas as do PAC, que estão na Câmara, na pauta de votações. A intenção do presidente da Câmara é ir votando as MPs na medida em que houver acordo. Com relação à votação, em segundo turno, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que acaba com as votações secretas no Congresso, Arlindo Chinaglia disse que nesta terça, em reunião com os líderes partidários, vai colocar o assunto em discussão. "Se vai ser votado agora ou não vai depender da compreensão das bancadas", disse. O presidente da Câmara disse, ainda, que pretende criar uma comissão especial, vinculada à presidência da Casa, para debater os temas relativos à segurança pública. Segundo ele, as matérias de segurança pública precisam ser bem debatidas para então serem votadas. "É preciso ter cautela na discussão e votação dessas matérias", ponderou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.