Chinaglia convoca sessão para votar recurso contra CPI

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), convocou sessão extraordinária da Câmara para esta quarta-feira, 21, às 19h05 para votar o recurso do PT contra a instalação da CPI do Apagão Aéreo, que tem por objetivo investigar a crise no setor. A sessão desagrada a oposição, que teme a posição da Câmara interfira na decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal. Ele é o responsável por analisar e dar a palavra final sobre o pedido do PFL, PSDB e PPS a favor da CPI. O governo tem ampla maioria para derrubar no plenário a CPI. Para aprovar o recurso do PT é necessário maioria simples dos votantes. Chinaglia marcou a sessão para esta noite, porque não poderia incluir esse assunto na pauta da sessão desta tarde, anunciada anteriormente.Na última terça-feira, o governo saiu vitorioso na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara na votação do recurso do PT para engavetar a CPI do Apagão Aéreo. Apesar do bate-boca e das brigas durante uma sessão tumultuada, a suspensão foi aprovada por 39 votos contra 20 e seguiu para o plenário da Câmara. PDT divididoO presidente do PDT, Carlos Lupi, divulgou nota recomendando que os deputados votem contra a aprovação da CPI do Apagão Aéreo, manifestando o apoio ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A posição de Lupi se choca com a do líder da bancada na Câmara, Miro Teixeira (RJ), que defende a instalação da CPI, e com a bancada do PDT que, na última terça-feira, votou contra o governo na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A posição de Miro Teixeira e da bancada na Câmara em torno da CPI do Apagão Aéreo tem colocado em risco a nomeação de Lupi para o Ministério da Previdência Social, cota prometida ao partido na divisão dos ministérios entre os partidos da coalizão. Além de pregar os votos pelo fim da CPI, Lupi acusa o PSDB e o PFL de tentarem desgastar politicamente o governo de Lula transformando o pedido de CPI em "palanque eleitoral", sem se preocuparem com os problemas da população. O líder da bancada, Miro Teixeira, não assina a nota com Lupi. Dos 23 deputados do PDT, 19 assinaram o requerimento pedindo a criação da CPI.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.