Chinaglia cobra do PMDB acerto para sucessão de 2009

Acordo diz que em 2009 o PT apoiaria Temer e, em contrapartida, PMDB fecharia com petista para Senado

ANA PAULA SCINOCCA, Agencia Estado

21 de janeiro de 2009 | 18h22

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), reiterou nesta quarta-feira, 21, que o PMDB do Senado deveria pensar na candidatura do peemedebista Michel Temer (SP) à presidência da Câmara antes de decidir sobre um nome do partido para a disputa no Senado. "É como se fosse estrada de sentido único. Depois da decisão do PMDB do Senado, as atenções se voltam para a Câmara. Eu penso que tinha de ser o contrário. O acordo na Câmara existe há dois anos", disse. Foi uma referência ao acordo entre PT e PMDB à época em que Chinaglia foi eleito. O acertado entre as duas legendas foi que em 2009 o PT apoiaria Temer para presidir a Câmara e, em contrapartida, PMDB fecharia com o candidato petista para presidir o Senado. O senador e atual presidente da Casa, Garibaldi Alves (PMDB-RN), é candidato à reeleição, mas pode ceder na próxima semana a vaga para José Sarney (PMDB-AP). O PT, no entanto, queria o apoio do PMDB para fazer do senador Tião Viana (PT-AC) presidente da Casa. Na véspera, Chinaglia já havia feito tal observação. Hoje ele também afirmou não acreditar que alguém de seu partido, o PT, mude de opinião facilmente em relação ao candidato apoiado em razão da postura do PMDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.