Chinaglia admite ter interesse em disputar prefeitura de SP

'Se a Marta não se candidatar, terei o maior prazer em ser prefeito da cidade' , diz o presidente da Câmara

22 de setembro de 2007 | 13h06

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT), admitiu,em entrevista neste sábado, 22, interesse em disputar a Prefeitura de São Paulo, caso a ministra do Turismo e ex-prefeita da cidade, Marta Suplicy, não se candidate.   "Eu acho que se a pessoa se sentir com compromisso com a cidade (SP) e se sentir capaz, dá vontade. É um desafio tremendo ser prefeito de São Paulo. Se a Marta não for candidata- que é o nome mais forte para SP-, serei uma alternativa e terei imenso prazer em ser prefeito", disse o presidente da Câmara à rádio Eldorado.   Ainda sobre candidaturas, Chinaglia diz que se o PT não tiver candidato em 2010 para as eleições presidenciais em em 2010 seria um "erro".   "No 3º Congresso Nacional do PT ( realizado no mês passado), eu fui o primeiro a falar e defendi a candidatura. Seria um erro um partido do tamanho do PT sem candidato próprio em 2010".     Chinaglia comentou também a discussão sobre a prorrogação da CPMF, aprovada em primeiro turno na Câmara e que causa polêmica no Congresso Nacional. Para ele, é possível, sim , governar sem o tributo, ao contrário da declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.   "Quando Lula diz que não dá pra governar sem os R$39 bilhões (arrecadação), é claro que dá, desde que consideremos que esse dinheiro vá fazer falta em alguma área. Lula faz avaliação que para se manter os programas atuais, não daria pra governar (sem o tributo).   Chinaglia disse ainda que a defende redução da alíquota, mas não a extinção da CPMF.   Caso Renan   Sobre o escândalo envolvendo o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), Chinaglia disse que "cada um é responsável pelo que faz" e que prefere acreditar que nunca viveria uma situação dessas, de ser pressionado a se afastar do cargo até que as investigações sejam concluídas.   "É claro que quando o presidente do Senado é atingido, acaba atingindo o Congresso inteiro. Isso é extremamente grave, não quero avaliar como é que eu ficaria, prefiro acreditar que não entraria nessa situação nunca (polêmica do afastamento)".   Renan é alvo de três processos no Conselho de Ética do Senado, acusado de beneficiar uma cervejaria, ser dono oculto de duas rádios em Alagoas e participar de suposto esquema de propina envolvendo membros do PMDB.   No dia 12, Renan escapou da cassação do seu mandato após votação no Senado, por 40 votos a favor, 35 contra e 6 abstenções. Ele era acusado de ter despesas pessoais pagas por um lobista da construtora Mendes Junior.

Mais conteúdo sobre:
Chinagliaentrevista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.