China anuncia mais nove mortes por pneumonia

A epidemia de pneumonia asiática fez mais nove mortosna China e 202 novos casos foram registrados, 152 deles em Pequim, anunciou hoje o Ministério da Saúde chinês. Eleva-se assim para 3.303 o número total de casos na China, precisou o Ministério. A doença matou pelo menos 148 pessoas em toda China Continental desde novembro.Sete das novas mortes ocorreram em Pequim, uma na província vizinha de Hebei e outra na região da Mongólia interior (norte). O número de casos suspeitos na China é de 2.259.O canal de televisão por cabo YTN anunciou que foi confirmado hoje o primeiro caso de pneumonia asiática na Coréia do Sul.Um sul-coreano, com cerca de 40 anos, apresentou um caso comprovado da Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars) depois de ter regressado da China na segunda-feira, precisou a emissora de televisão.As autoridades sanitárias recusaram-se a confirmar esta informação. Segundo a rede de televisão, as autoridades sanitárias colocaram de imediato o doente em quarentena num hospital de Seul e tentam encontrar os 200 passageiros e a equipe de pilotos e aeromoças do avião que o transportou.Até hoje, a Coréia do Norte não tinha apresentado qualquer caso confirmado da doença, mas existiam 14 casos suspeitos.A Coréia do Norte reforçou as suas medidas sanitárias devido à volta de milhares de estudantes da China, o país mais afetado pela epidemia.A Sars, mais conhecida como pneumonia asiática, é uma doença descoberta no sul da China em novembro de 2002. Os sintomas da Sars são febres superiores a 38 graus, tosse e dificuldades respiratórias. A pneumonia asiática já atingiu mais de cinco mil pessoas em todo o mundo, com 333 vítimas fatais.Hospitais chinesesNos Hospitais de Pequim, que estão tratando mais de mil pessoas infectadas com SARS, começa a faltar remédios e máscaras cirúrgicas, disse a terça-feira um informe de imprensa.Médicos e enfermeiras estão esgotados pelo trabalho e desmoralizados, disse o diário Beijing Times citando o subdiretor de Saúde Publica de Pequim, Deng Xiaohong.Para aliviar o situação, o exército chinês está enviando 1.200 médicos e enfermeiras a Pequim, disse a agência noticiosa oficial Sinjua. Veja o índice de notícias sobre a pneumonia atípica

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.