Chefes regionais do Ministério da Transparência colocam cargos à disposição 

Medida seria forma de pressionar o governo Temer a mudar o comando do Ministério da Transparência, antiga CGU

Gabriela Lara, correspondente, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2016 | 14h25

PORTO ALEGRE - Os chefes das Controladorias Regionais da União decidiram colocar o cargo à disposição após a polêmica envolvendo o novo ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira. De acordo com o chefe da seccional do Rio Grande do Sul, Cláudio Moacir Marques Corrêa,  os 26 chefes regionais resolveram entregar os cargos em conjunto. A decisão em bloco, segundo ele, foi tomada depois de manterem conversas ao longo do dia pelo Whatts App. A medida é uma forma de pressionar o governo do presidente em exercício, Michel Temer, para mudar o comando do Ministério da Transparência, antiga Controladoria Geral da União (CGU).

Na tarde desta segunda-feira, 30, após reunião, Temer decidiu manter ministro da Transparência 'por enquanto'.

De acordo com Corrêa, o trabalho desempenhado depende extensivamente da confiança adquirida com parceiros como a Polícia Federal e o Ministério Público. O entendimento é de que esta confiança fica minada com a permanência do ministro na pasta. "A questão principal é a confiança que a gente precisa ter para trabalhar com parcerias. A Polícia Federal e o Ministério Público Federal são parceiros consagrados do nosso trabalho, e agora temos receio da interferência política nesse trabalho. Se não houver confiança desses parceiros, o trabalho fica prejudicado", disse Corrêa ao Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado.

Em novas gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e exibidas no domingo, 29, pelo Fantástico, da TV Globo, o ministro Fabiano Silveira participa de reunião com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e Machado e faz críticas à Operação Lava Jato, além de orientar Renan sobre formas de enfrentar as investigações.

O Sindicato Nacional dos Analistas e Técnicos de Finanças e Controle (Unacon Sindical) também defendeu nesta segunda, 30, em nota divulgada à imprensa, a exoneração de Fabiano Silveira. Segundo o sindicato, o ministro "demonstrou não preencher os requisitos de conduta para estar à frente de um órgão que zela pelo combate à corrupção".

Se o governo decidir pelo afastamento do ministro, os chefes regionais podem voltar atrás na decisão. "Vamos aguardar até o final do dia e ver qual atitude tomar", disse Corrêa. Segundo ele, todos os chefes regionais são funcionários de carreira e cumprem mandato de chefia que pode durar até quatro anos. Em agosto, Corrêa completa três anos na função. Ele está na Controladoria Regional da União no RS desde 1994.

Corrêa ainda comentou que, além dos chefes regionais, outros servidores com algum posto de gestão também estão colocando os cargos à disposição. No Rio Grande do Sul, os quatro chefes de setor que estão abaixo de Corrêa tomaram esta decisão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.