Chapa Aécio-Serra é 'difícil', 'mas não impossível', afirma Alckmin

Diante de um quadro político com 32 partidos, governador de São Paulo acredita que composição só entre tucanos não é a 'mais viável' na disputa pela Presidência em 2014

Carla Araújo - Agência Estado

18 de outubro de 2013 | 13h34

São Paulo - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou nesta sexta-feira, 18, ser difícil a formação de uma chapa "puro-sangue" para a disputa da Presidência em 2014. "Não é hoje o mais viável, mas não é impossível", disse ao comentar a possibilidade de o ex-governador José Serra ser o vice do senador Aécio Neves.

Segundo o governador, a formação de uma chapa com candidato e vice do PSDB é mais difícil em razão do quadro político multipartidário. "São 32 partidos, é muito partido, fica difícil", reforçou, ressaltando que ainda é muito cedo para que o partido tome essa decisão.

Depois do anúncio da aliança entre a ex-ministra Marina Silva e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), Aécio voltou a negociar a construção de uma chapa com Serra. O ex-governador, entretanto, foi categórico ao descartar a ideia. "Delirar é livre. A gente pode aqui especular sobre qualquer assunto. Mas não faz sentido", disse o tucano. Apesar de o nome de Aécio na disputa presidencial contar com apoio da maioria do partido, Serra ainda mantém o discurso de que a decisão do candidato será em 2014.

Palanque duplo. Questionado sobre a possibilidade de um palanque duplo em São Paulo por conta da provável candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), à Presidência, Alckmin esquivou-se. "Tudo isso só em 2014", afirmou.

A cúpula nacional do PSDB quer limitar a dobradinha de governadores tucanos com o PSB. Mas dirigentes tucanos no Paraná e aliados do governador Beto Richa (PSDB) já negociam a abertura do palanque a Eduardo Campos (PSB), possível adversário de Aécio Neves (PSDB) na disputa das eleições presidenciais de 2014. Mesmo que Richa e Campos não participem de um mesmo comício, os aliados admitem que o governador do Paraná poderá aparecer ao lado do governador de Pernambuco em materiais de campanha. No Paraná, PSB e PSDB são aliados históricos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.