Chance de Aécio nas prévias é real, diz líder tucano

O presidente do PSDB de Minas Gerais, deputado federal Paulo Abi-Ackel, disse hoje que a batalha empreendida pelo governador Aécio Neves para a realização de prévias no partido é para valer e seu esforço para sair candidato à Presidência em 2010 não pode ser considerado uma espécie de estratégia para uma "saída honrosa". "Não pode ser uma saída honrosa na medida em que nós e, penso..., o governador mais ainda, está convencido da chance de êxito, da chance de vencer as prévias", afirmou Abi-Ackel, após um encontro com Aécio no Palácio da Liberdade. O governador mineiro disputa a indicação como presidenciável tucano com o colega paulista, José Serra, que lidera todas as pesquisas de intenção de voto.

EDUARDO KATTAH, Agencia Estado

18 de março de 2009 | 18h54

Embora Aécio costume ressaltar que as prévias devem ser realizadas no caso de não haver consenso em torno do nome escolhido pelo PSDB, para o presidente do diretório mineiro a proposta de primária não é uma "opção pessoal". O deputado disse que a reunião teve por objetivo a discussão dos novos "passos" da bancada tucana de Minas na Câmara para consolidar o "projeto de democracia e consulta às bases".

"O governador Aécio Neves é apenas um porta-voz desta vontade popular. Ele não está a serviço de nenhuma opção pessoal. Ele está atendendo ao apelo das bases", afirmou. "O nosso interesse, efetivamente, é fazer com que a escolha do candidato não se dê através da cúpula do partido, do topo da pirâmide". Abi-Ackel diz que está convencido de que a legenda vive hoje um quadro de equilíbrio, "com tendência efetiva a favor do governador de Minas".

Segundo ele, o período de reunificação das forças do partido se dará após as prévias. "Ocasião em que, tenho certeza, o perdedor, apoiará o vencedor", ressaltou. "O governador José Serra, se for o perdedor, candidato que será ao governo de São Paulo, será o maior entusiasta da candidatura à Presidência da República de Aécio Neves".

Fiel da balança

Na opinião do deputado mineiro, os últimos acontecimentos serviram para que forças tucanas resistentes aceitassem as chances de o governador de Minas ser o candidato vitorioso nas prévias ou "pelo menos o fiel da balança nas eleições". "E já começam, portanto, a trabalhar para a convergência", disse, citando a participação conjunta de Aécio e Serra em Recife, como "bons e antigos companheiros".

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2010Aécio NevesPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.