Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Chalita vai resolver o problema de falta de vagas em creches, diz vice

Marianne Pinotti afirmou que tem projeto para construção de 4 novos hospitais e criticou ação na cracolândia

Cristiane Salgado Nunes - O Estado de S. Paulo,

05 de setembro de 2012 | 16h21

Em entrevista para a TV Estadão nesta quarta-feira, 5, a médica Marianne Pinotti, vice do candidato Gabriel Chalita (PMDB) à Prefeitura de São Paulo, disse que sua motivação para entrar na política é a saúde pública e a chapa tem um projeto para a construção de 4 novos hospitais na cidade. A candidata ainda garantiu que Chalita resolverá o problema de falta de vagas em creches e irá implantar o ensino público em tempo integral: "Talvez demore dois mandatos para colocar todas crianças em tempo integral, mas é preciso começar".

Marianne criticou a administração atual na saúde e afirmou que é preciso fazer um choque de gestão básica. "Existe um caos na saúde paulistana, uma de falta inteligência", avaliou.

Ressaltando uma visão preventiva na saúde, a candidata falou que pretende investir na educação para evitar a gravidez precoce na adolescência e manifestou sua posição contra o aborto. "Qualquer cidadão em sã consciência é contra o aborto. Sou a favor da vida", justificou.

A vice de Chalita também desaprovou a ação do governo na cracolândia e afirmou que os usuários foram "apenas espalhados pelas ruas". Para resolver a situação dos dependentes químicos, Marianne propôs a união da Secretária da Saúde com a Educação para adoção de medidas preventivas: "Isso vai ser uma guerra para a gente resolver", comentou.

No transporte, a candidata frisou a importância de melhorar a condução pública e descartou implantar o pedágio urbano. Para a segurança, Marianne disse que é preciso se unir com o governo estadual para combater a violência urbana e apontou a falta de iluminação nas ruas como um agravante: "Bandido gosta de escuro, precisamos iluminar a cidade".

Pesquisas. Marianne disse acreditar que Chalita concorrerá no 2ª turno porque o candidato está ficando cada vez mais conhecido pela população com a propaganda eleitoral: "Nós vamos crescer. Estamos esperando quem vai conosco para o próximo turno".

Questionada sobre a liderança de Celso Russomanno (PRB) nas pesquisas de intenção de voto, a vice argumentou que ele está na frente por ser conhecido pelo programa de televisão que apresentava e é "uma segunda alternativa para quem não quer votar no outro candidato mais conhecido".

Sobre padrinhos políticos, Marianne afirmou que o vice-presidente Michel Temer tem colaborado para a campanha e começará a aparecer mais na TV, mas ressaltou que é "importante que a população veja que quem vai governar não é o padrinho, mas o candidato".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.