Chalita vai a Brasília acertar detalhes para filiação ao PSB

Tucano mais votado nas eleições municipais de São Paulo, vereador deseja se candidatar ao Senado em 2010

André Mascarenhas e Rodrigo Alvares, do estadão.com.br,

23 de setembro de 2009 | 19h39

O vereador por São Paulo Gabriel Chalita (PSDB) viajou nesta quarta-feira, 23, para Brasília, para se reunir com a direção do PSB e definir os últimos detalhes de sua filiação á sigla. De acordo com assessores, a decisão de sair do PSDB já estaria tomada, já que Chalita não tem mais espaço no partido.

 

Veja Também

linkDe olho em 2010, PT e PMDB acertam pré-compromisso

 

Tucano mais votado nas últimas eleições municipais, Chalita deseja se candidatar ao Senado na eleição de 2010. No início desta semana, o vereador comunicou a decisão a dirigentes do PSDB - inclusive ao seu padrinho político, o ex-governador e secretário estadual de Desenvolvimento, Geraldo Alckmin.

 

Nos bastidores, tucanos confirmam que o vereador já deu início ao processo de filiação ao PSB, informação também corroborada por integrantes da legenda.

 

"Da nossa parte, estamos dando como certo. Ele (Chalita) conversou bastante conosco e está decidido a sair do PSDB", disse o presidente do diretório estadual do PSB em São Paulo, deputado Márcio França.

 

No PSDB municipal, uma eventual saída de Chalita é vista com preocupação, dado o potencial do vereador em eleger um número elevado de deputados federais nas eleições do ano que vem.

 

A proximidade de Chalita com a Igreja Católica também é dada como ponto forte de uma eventual candidatura ao Senado.

 

"O Chalita não tem apoio de setores da Igreja Católica; tem apoio da instituição", detalhou um assessor do PSDB paulistano.

 

Mas o que mais preocupa setores do partido em São Paulo é a previsão de que a saída de Chalita possa significar também a existência de um plano B para Alckmin, caso o ex-governador encontre resistência em lançar-se ao governo de São Paulo.

 

"A inércia do PSDB em definir suas candidaturas acaba levando a essas movimentações", lamentou um assessor tucano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.