Chalita pedala e critica política de Kassab para ciclistas

O candidato do PMDB disse que ciclovia,'no discurso é boa, (mas) na prática, é muito tímida'

Paula Bonelli, de O Estado de S. Paulo,

14 de julho de 2012 | 14h24

SÃO PAULO - Depois de pedalar 3 quilômetros de bicicleta, neste sábado pela manhã, acompanhado por um pequeno grupo de ativistas, o candidato do PMDB à prefeitura Gabriel Chalita classificou de insuficiente a atual política municipal voltada para ciclistas. Questionado como avaliava as ciclofaixas de lazer e os pontos de empréstimo de bicicleta - uma das bandeiras da gestão do prefeito Gilberto Kassab -, o peemedebista afirmou que "no discurso é boa, (mas) na prática é muito tímida". "Já poderia ter sido feito muito mais. Quantos quilômetros de ciclovia ele fez mesmo como prefeito?", questionou em tom de ironia. No entanto, disse que considera as ciclofaixas de domingo, que interligam parques da cidade, uma boa alternativa de lazer. "O importante é fazer as pessoas irem trabalhar de bicicleta, a pé e usando transporte público."

Chalita fez as declarações após pedalar de Higienópolis até o comitê de sua campanha no Vale do Anhangabaú, na região central. Debaixo de sol, o candidato vestia calça jeans, casaco e capacete azul. No trajeto, cabos eleitorais contratados hasteavam bandeiras nas esquinas do centro ao som do seu jingle entoado em volume altíssimo por um carro de som que acompanhava o grupo. Em vários momentos a comitiva de ciclistas de Chalita ocupou a rua inteira, irritando alguns motoristas. "Usa uma faixa só. É um absurdo. Se você reclama, eles ainda acham ruim", gritou um taxista apressado.

No comitê, o candidato do PMDB assinou uma carta de compromisso com as associações Ciclocidade e a CicloBr para a melhoria das condições do ciclistas e da mobilidade em São Paulo. Comprometeu-se em aumentar, por exemplo, em 0,25% por ano o orçamento municipal de transportes destinado à mobilidade por bicicleta e de "acalmar o trânsito", com a adoção de limite de velocidade de 50km/h em avenidas. Indagado se iria mesmo cumprir, caso eleito, esta última medida impopular em alguns setores, não embarcou 100% na ideia: "Podemos ter avenidas com ciclorotas com uma velocidade menor e outras sem. É uma discussão que precisa ser feita com a sociedade." Garantiu ainda que colocará em prática outra reivindicação dos ciclistas, a de um plano cicloviário para toda a cidade. Afirmou que isso já é estudado distrito por distrito pela sua equipe de elaboração do plano de governo e que a sua meta é criar 400kms de ciclovias em 4 anos. "É possível, eu acho que a gente tem que pelo menos passar Amsterdã."

No domingo, é a vez de Fernando Haddad, candidato do PT à Prefeitura, pedalar pela cidade e assinar a carta de reivindicações dos ciclistas. No fim de semana que vem Soninha Francine (PPS) cumpre agenda com as associações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.