Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Chalita é vaiado por professores públicos durante palestra

Candidato causou contrariedade ao expor proposta de parceria privada para acabar com filas em creches municipais

Felipe Frazão - O Estado de S. Paulo,

31 de julho de 2012 | 15h08

O candidato do PMDB a prefeito de São Paulo, Gabriel Chalita, sofreu resistência a sua proposta para acabar com filas por vagas em creches da rede municipal e foi vaiado por professores públicos na manhã desta terça-feira, dia 31. Chalita palestrava em evento do Sindicato dos Especialistas de Educação do Ensino Público Municipal quando casou contrariedade na plateia ao dizer que planejava zerar o déficit de vagas em dois anos provendo convênios com faculdades privadas.

A proposta é uma das principais do programa de governo de Chalita e aborda tema sensível ao prefeito Gilberto Kassab (PSD) que tem como meta de governo acabar com as filas. Para Chalita, a prefeitura deve fazer mais contratos de convênios e repassar a verbas a universidades particulares, que teriam espaço para receber as crianças de até cinco anos em campus espalhados pela cidade. Caberia aos funcionários da secretaria de Educação fiscalizar o serviço prestado.

Os servidores municipais rechaçaram a proposta de Chalita com duas vaias coletivas. Eles são contra os convênios com entidades privadas, porque alegam que o atendimento é pior, feito por profissionais com remuneração mais baixa e em prédios com infraestrutura precária.

Ao fim da palestra, Chalita foi abordado por um diretor de escola da prefeitura, que pedia que ele não tomasse atitudes "de cima para baixo", sem ouvir antes os servidores. E que Chalita fosse mais coerente com seu discurso de que discutia com os funcionários quando era secretário estadual de Educação.

Chalita afirmou que os professores entendem a proposta dele como um "privatização" do ensino, mas se sensibilizam quando ele explica que precisa abrir vagas para crianças que não tem com quem ficar enquanto os pais trabalham.

"Acho que e normal. Não vou fazer um discurso para os sindicatos e outro para a população", disse Chalita, sustentando a proposta.

Russomanno. Chalita também comentou o grampo da Polícia Federal em que o adversário Celso Russomanno (PRB) foi supostamente citado como beneficiado por dinheiro do contraventor Carlinhos Cachoeira, que está preso e é alvo de CPI. Ele cobrou apuração do caso pela PF e explicações do candidato republicano, com quem havia feito acordo de apoio caso somente um dos dois avance ao segundo turno do pleito. "Eleição é momento de se colocar tudo a limpo. O candidato que está sendo acusado precisa esclarecer isso, quem é esse assessor. Uma escuta telefônica é uma coisa muito séria. O Cachoeira interferiu em vários lugares do Brasil", afirmou Chalita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.