Wether Santana/AE
Wether Santana/AE

Chalita define slogan de campanha: 'São Paulo em primeiro lugar'

Mensagem do pré-candidato do PMDB tem ataque implícito ao tucano José Serra

Felipe Frazão, de O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2012 | 13h17

Os marqueteiros da campanha do deputado federal Gabriel Chalita (PMDB) a prefeito de São Paulo escolheram o slogan que o pré-candidato usará na disputa a partir de julho, quando fica permitida a propaganda eleitoral. Chalita será apresentado como um gestor que terá a capital paulista como prioridade. A frase escolhida foi "São Paulo em primeiro lugar".

A mensagem faz alusão ao fato de um dos adversários, o tucano José Serra (PSDB), e seu aliado o prefeito Gilberto Kassab (PSD) terem abandonado a administração da cidade para cuidar de interesses pessoais - conforme prega o peemedebista. Chalita tem dito publicamente que Serra não quer ser prefeito, mas presidente da República. Serra nega. E explorado politicamente a dedicação de Kassab para criar, ano passado, o Partido Social Democrático. Na tese do pré-candidato, ele deixou de cuidar de São Paulo - uma promessas mais por Chalita.

O peemedebista disse na manhã desta terça-feira, dia 12, que participou da criação do slogan. Ele sustenta que o ataque a Serra e a Kassab não foi pensado para ser o mote do slogan.

"É uma valorização da cidade de São Paulo, que não pode ser usada como trampolim, não pode ser usada para disputas federais. É um conceito de que a cidade não aguenta mais ser colocada de lado", explicou Chalita, para depois emendar em críticas veladas a Serra. "E ela, infelizmente, foi colocada de lado mesmo. Um prefeito que ganha uma eleição e sai um ano e pouco depois, porque a Prefeitura era pouco para ele. Isso a cidade reflete: que tipo de prefeito a gente quer? A gente quer um prefeito que queira ser prefeito ou um que tenha um sonho adormecido de Presidência da República, como ele (Serra) mesmo colocou?", indagou Chalita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.