CGU vê fraudes em fundação

Fraudes em licitações, superfaturamento de contratos e pagamento por serviços não prestados, entre outras irregularidades, causaram um prejuízo estimado em pelo menos R$ 67,8 milhões à Fundação Nacional de Saúde (Funasa) nos últimos três anos. É o que aponta um levantamento divulgado ontem pela Controladoria Geral da União (CGU).A Funasa, ligada ao Ministério da Saúde, é hoje pivô de uma crise entre o ministro da pasta, José Gomes Temporão, e setores do PMDB que controlam cargos de direção no órgão. Há dez dias, Temporão acusou o órgão de apresentar baixa qualidade de serviços e ser foco de corrupção.De acordo com apurações da CGU e do Tribunal de Contas da União (TCU), irregularidades identificadas em doze contratos firmados pela Funasa com diversas empresas privadas desde dezembro de 2005 causaram prejuízos de pelo menos R$ 33,8 milhões aos cofres públicos. Além disso, conforme o balanço da CGU, foram estimados em mais R$ 34 milhões os desvios de recursos públicos em fraudes apontadas pela Operação Metástase. Realizada pela Polícia Federal em outubro de 2007, a operação prendeu 32 pessoas acusadas de fraudar licitações da fundação.O Estado procurou a Funasa ontem à noite, após receber os dados da CGU, mas já não havia ninguém apto a comentar o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.