CGU dispõe de malha fina para combate a fraudes

Para tentar conter irregularidades cometidas com dinheiro público, o governo federal criou uma malha fina da corrupção. Vinculado à Controladoria-Geral da União (CGU), o Observatório da Despesa Pública (ODP) segue "trilhas" de irregularidades em busca de fraudes dentro dos maiores sistemas de gastos do governo, como o ComprasNet, cartões corporativos e terceirizações."Somente com a maciça utilização da informática e através da ?mineração? de dados temos como realizar uma sistemática mais eficiente no combate à corrupção", diz o secretário executivo da CGU, Luiz Navarro. Ser pego nessa malha fina, afirma o secretário, não significa culpa, mas que o caso será separado para um exame mais detalhado. Com base na experiência de análise de irregularidades cometidas, o Observatório da Defesa Pública já tem em sua memória diversos tipos de práticas consideradas de risco. Cada vez que uma delas é identificada, a malha fina é acionada e a despesa passa por um processo de investigação para saber se contém fraudes.Só para se ter uma ideia, o ComprasNet envolveu recursos da ordem de R$ 164 bilhões, com 15 milhões de itens, entre 1998 e 2008. A média anual de gastos com serviços terceirizados pagos com recursos federais representa R$ 3,74 bilhões. Em 2007 os gastos cartões corporativos chegaram a R$ 76 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.