CGU contesta estudo da oposição

A Controladoria-Geral da União divulgou nota na qual questionou o levantamento dos dados feitos pela liderança do PSDB no Siafi, sistema de execução orçamentária disponibilizado pelo próprio governo. "O crescimento dos gastos entre o primeiro trimestre deste ano e o mesmo período do ano passado já era esperado e resulta da extinção, em meados de 2008, das contas tipo B", disse Luiz Navarro, secretário executivo da CGU. "Com a extinção das contas B, que ocorreu em razão da falta de transparência, as despesas que eram executadas dessa forma passaram a ser feitas com o cartão."De acordo com os dados da CGU, os gastos com suprimento de fundos (a soma dos gastos com cartão e com contas B) no primeiro trimestre deste ano caiu 26,8% em relação ao mesmo período de 2008: passaram de R$ 20.866.347 para R$ 15.266.435. A Secretaria de Administração da Casa Civil afirmou que, no primeiro trimestre de 2008, as despesas com saques foram de R$ 654.238,46 e, em 2009, de R$ 1.282.654,40. "Houve um maior número de estabelecimentos utilizados no período que não trabalham com a bandeira do cartão corporativo do governo federal, estando todas as situações identificadas e justificadas nos processos de prestação de contas."Segundo o Ministério da Justiça, mais de 90% dos gastos dizem respeito à PF. A corporação disse que o aumento dos saques se deu em razão do maior uso dos cartões, uma vez que as contas tipo B deixaram de ser usadas. Segundo a PF, os gastos com suprimentos de fundos passaram de R$ 3,9 milhões, no primeiro trimestre de 2008, para R$ 4,7 milhões em 2009. O crescimento, afirmou a PF, reflete aumento nas operações, que passaram de 28 para 40 na comparação trimestre com trimestre. O Ministério do Trabalho afirmou que o aumento ocorreu em razão do uso dos cartões por parte do grupo móvel de combate ao trabalho escravo, que antes usavam recursos da conta tipo B (basicamente cheques). O Meio Ambiente também disse que o uso maior do cartão é responsável pelo crescimento dos saques na ponta, como no interior da Amazônia. A pasta da Agricultura também relacionou o crescimento dos gastos do cartão com o fim da conta B.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.