RODRIGO FÉLIX LEAL | PAGOS
RODRIGO FÉLIX LEAL | PAGOS

CGU confirma negociação para acordo de leniência com a Odebrecht

Empreiteira já havia informado que todos os executivos concordaram em fazer delação premiada

Agência Estado, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2016 | 17h54

São Paulo - A Controladoria-Geral da União (CGU) confirmou que está em negociações com a construtora Odebrecht para assinatura de um acordo de leniência, segundo informações divulgadas pela Agência Brasil nesta sexta-feira (25). A CGU não costuma divulgar a relação das empresas com as quais negocia este tipo de acordo, no entanto, como a Odebrecht tornou a informação pública, a controladoria confirmou a negociação.

"No caso da Odebrecht, após divulgação realizada pela empresa, a CGU confirma que está em fase de negociação do acordo de leniência", diz a CGU.

Na última terça-feira (22), a Odebrecht informou que todos os executivos da empreiteira concordaram em fechar acordos de delação premiada - quando pessoas investigadas concordam em colaborar com as investigações informando o que sabem e, em contrapartida, obtêm benefício da redução da pena. 

"A empresa (Odebrecht), que identificou a necessidade de implantar melhorias em suas práticas, vem mantendo contato com as autoridades com o objetivo de colaborar com as investigações, além da iniciativa de leniência já adotada em dezembro junto à Controladoria Geral da União", comunicou a construtora, por nota, nesta terça-feira.

Ainda na terça, a 26ª etapa da Lava Jato, chamada de Operação Xepa, fez buscas com base principalmente na delação premiada da ex-secretária do Grupo Odebrecht Maria Lúcia Guimarães Tavares. Ela foi presa em fevereiro na Operação Acarajé, a mesma que prendeu o marqueteiro João Santana.

Entre os arquivos descorbertos pela Operação Lava Jato, no apartamento de um dos executivos da Odebrecht, estão superplanilhas que mencionam repasses de empresas a 279 políticos de 22 partidos. Segundo a Procuradoria, a empreiteira tinha uma 'estrutura secreta' para 'pagamentos ilícitos'.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
São PauloCGUOdebrecht

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.