César Maia diz que falta gerência no governo Lula

A reação do governo federal ao caso Waldomiro Diniz está sendo ?um desastre? e ?falta ao governo gerência?, considera o prefeito do Rio, César Maia, um dos caciques do PFL. Em entrevista na sede da Associação Comercial do Rio de Janeiro, Maia atacou o ministro da Casa Civil, José Dirceu, por essas duas linhas. Para ele, José Dirceu nunca cumpriu a função de gestão, só de articulação política. Segundo o prefeito, ?a gestão se compõe de coordenação de governo, consistência e coerência e o governo não tem nenhum dos três?.O prefeito considera que há uma crise administrativa no governo federal que gera a crise política. ?A confusão entre o ministro da Agricultura (Roberto Rodrigues) e o do Planejamento (Guido Mantega) é nitidamente gerencial?, afirmou, referindo-se ao episódio em que Rodrigues diante de parlamentares queixou-se de Mantega e o chamou de ?vagabundo?, porque estaria se recusando a encontrá-lo para negociar assuntos como o da greve dos fiscais sanitários. Ele mesmo lembrou que na recente reforma ministerial o ministro Aldo Rebelo foi designado para cuidar da articulação política e Dirceu cuidaria da gestão e coordenação de governo. Maia, porém, considera que Dirceu não está cumprindo esse papel. Ele apoiou a idéia de se criar um Ministério de Administração ?se for para cuidar da gestão e coordenação do governo?. Sobre as denúncias contra Diniz, Maia lembra que o governo usou como argumento contra a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) a afirmação de que o vídeo com as conversas entre o ex-assessor de Dirceu e o bicheiro Carlinhos Cachoeira ocorreram em 2002 e não no governo Lula. Ele questiona como fica essa argumentação agora, que ?uma sindicância pedida pelo governo diz que ele atuou em 2003 em favor da Gtech junto à Caixa Econômica Federal?. De acordo com o prefeito, ?a situação se complica a cada dia?. Para Maia, a situação deixa mal o publicitário Duda Mendonça, que fez a campanha de Lula. ?Duda Mendonça achou que marketing político era só apresentar candidatos, mas a mais importante de todas as áreas do marketing político é o marketing governamental de administração de crises?, diz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.