Cesar Maia diz que continuará criticando campanha de Alckmin

Em meio à mais grave crise da pré-candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República, o prefeito do Rio, Cesar Maia (PFL), afirmou hoje que continuará a criticar publicamente a pré-campanha do PSDB ao Palácio do Planalto enquanto não houver um comando unificado de tucanos e pefelistas na disputa eleitoral nacional. Maia voltou a criticar o presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), que, para ele segue estratégia equivocada por não priorizar a viabilização do segundo turno. Afirmou, porém, que as pesquisas do Datafolha e do Sensus apontando que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser reeleito no primeiro turno na verdade mostram que a campanha do tucano vive "um céu de brigadeiro, um mar de almirante"."No momento em que se entenda que a campanha dos dois partidos será dos dois partidos não vai haver nenhum joga peteca aqui, tira casquinha ali", afirmou ele, em entrevista à Rádio CBN. "Não há campanha com comando unificado entre PSDB e PFL. Enquanto não houver isso, ficamos muito a cavaleiro e à vontade para expressar como o partido está fora desse tipo de discussão." Apesar de reiterar seu apoio a Alckmin, Maia o criticou, dizendo que "não sai competitivo, como sairia o (José) Serra (ex-prefeito de São Paulo, que perdeu a indicação para ser candidato do PSDB). "Alckmin não é Fernando Henrique", ironizou. "Não se trata aí de uma personalidade internacional, que em função disso produz um quatro suprapartidário em torno de si mesmo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.