Cesar Maia critica Lula por mudar agenda com receio de vaias

Presidente teria mudado roteiro do Sul para o Nordeste por conta do acidente com o avião da TAM

24 de julho de 2007 | 16h19

César Maia (DEM), prefeito do Rio, fez duras críticas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva por ter trocado o Sul pelo Nordeste - onde é bem avaliado - em seu roteiro de viagem com receio de vaias por conta do acidente com o avião TAM na semana passada. A crítica foi feita no ex-blog do prefeito nesta terça-feira, 24. Para Maia, Lula "se encolhe frente à adversidade" e diz que comportamento é o mesmo adotado pelo presidente no episódio do mensalão.   "Um político completo na chefia de governo - um estadista - não é o que temos. A adversidade o colocou na clandestinidade. E o despachou para os seus nichos, de AeroLula, num contraponto triste com a pequena burguesia que rejeita, por autodefesa", ataca o prefeito do Rio.   Para Maia, o comportamento de Lula pode ter efeito maior. Segundo ele, o presidente pode aprofundar suas políticas "ainda mais e muito mais para o assistencialismo desregrado, buscando foco, naqueles que não lêem jornais, e que com alguma bolsa no bolso, podem servir de claque para levantar a moral do chefe". Outros críticos   Para o líder do PSDB na Câmara, deputado Antônio Carlos Pannunzio (SP), o presidente Lula "tem uma clara tendência a fugir de problemas". "O presidente foge das críticas e das situações adversas e prefere ir para o Nordeste, onde o programa Bolsa Família funciona mais como um cartão de visitas a seu favor", afirma o deputado tucano.   O deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ) diz que o presidente está apresentando "um dos piores defeitos dos políticos". "Esse defeito é só querer o lado bom, o aplauso fácil, só querer caminhar em estradas sem buracos. Pelo que temos visto, ninguém erra nesse governo. Parece que esse governo assumiu uma espécie de mistura da teoria do direito divino dos reis com a infalibilidade dos papas", ironiza Alencar.   Leia abaixo a íntegra da crítica de Maia no seu ex-blog:   LULA SE ENCOLHE FRENTE À ADVERSIDADE!   1. Não é a primeira vez que Lula se encolhe frente à adversidade. Em 2005 - durante o mensalão - ocultou-se, e saiu da toca em Paris numa entrevista amadora desastrada. Agora - da mesma maneira. Encolhe-se, se oculta, perde a iniciativa, cancela sua agenda no sul, e a muda para o nordeste. Esta mudança de agenda foi feita da mesma maneira em 2005.   2. Os políticos que se encolhem frente às adversidades não são casos raros. Alguns sistematicamente, numa espécie de ciclotimia, onde se deprimem a qualquer noticia e fato negativos. Há um elemento comum entre eles: colocar a culpa na imprensa. São vários os casos de políticos que na adversidade, param de ler os jornais e não ouvem ou assistem o noticiário. Não entendem o papel - em todo mundo - da imprensa na cobertura política onde faz o controle de qualidade (passam os produtos bons; ficam e são expostos os produtos ruins).   3. O jogo - política/imprensa - está mais do que estudado. Nas ditaduras a imprensa permitida faz o que o governo quer. Do outro lado, entre os políticos frágeis, os governos fazem o que a imprensa quer. Como sempre, no meio está a virtude.   4. Um político que se encolhe frente à adversidade - como Lula - reage quase sempre de uma mesma forma: corre em direção a seu nicho de opinião pública, e passa a tratar apenas deste. E justifica junto aos assessores que é isso que o país precisa. No caso de Lula, se ele permitisse um gravador a seu lado, o que diria seria algo como, "pensam que vim aqui para atender os ricos?"; "essa imprensa serve aos poderosos"; "vou tratar do meu povo e deixar esses pequeno-burgueses de lado".   5. A vaia e a tragédia, auto-atocaiaram Lula. Improvisou uma cirurgia numa vista alegando terçol e com isso se autojustificando pela ausência. Os desdobramentos de sua ciclotimia política podem ser apenas pessoais - meno male - para seu grupo interno. Mas podem ter efeito maior, reorientando suas prioridades ainda mais e muito mais para o assistencialismo desregrado, buscando foco, naqueles que não lêem jornais, e que com alguma bolsa no bolso, podem servir de claque para levantar a moral do chefe.   6. As idas de Lula ao nordeste em 2005, foram assim: com direito a claque e cenário, e ele suado no meio dos amigos contratados, voltando a ser o líder sindical. Essa regressão protetora de seu encolhimento na adversidade voltará nos próximos dias. E contará com a TV para registrar seu passado, teatralizado no presente - sem gravata, suado, sem plural...   7. Um político completo na chefia de governo - um estadista - não é o que temos. A adversidade o colocou na clandestinidade. E o despachou para os seus nichos, de AeroLula, num contraponto triste com a pequena burguesia que rejeita, por autodefesa.   (Colaborou Marcelo de Moraes, do Estadão)

Tudo o que sabemos sobre:
Ex-blog do Cesar MaiaLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.