César Borges: não existem obras paradas no governo Dilma

O ministro da Secretaria dos Portos, César Borges, disse neste domingo, 26, ao chegar no hotel onde a presidente Dilma Rousseff é aguardada para comentar o resultado das eleições, que não existe obra parada no governo Dilma. "Não existem obras paradas. Elas estão em andamento", afirmou, ao ser questionado sobre a afirmação da campanha do candidato Aécio Neves (PSDB) de que o governo Dilma criou um cemitério de obras paradas no País.

NIVALDO SOUZA, RICARDO DELLA COLETTA E ADRIANA FERNANDES, Estadão Conteúdo

26 de outubro de 2014 | 20h01

Segundo o ministro, as obras em andamento do governo Dilma são "apoteóticas". O ministro colocou como uma das prioridades do governo Dilma, caso ela seja reeleita, a aceleração das concessões na área portuária, que ainda dependem de aprovação do Tribunal de Contas da União (TCU). "O que temos de avançar são os arrendamentos de novas áreas (terminais portuários)", disse. Borges também comentou que Dilma pretende intensificar obras na área de saneamento.

O ministro chegou otimista com o resultado da eleição favorável à Dilma, afirmando que a disputa deste ano vai culminar numa "festa da democracia", em que a presidente apresentará novas ideias para enfrentar os novos desafios do Brasil. Ao ser questionado sobre o fato de estar sem partido, depois que deixou o PR, e da possibilidade de migrar para o PT, Borges respondeu bem humorado que pode ir para "qualquer partido".

Além do ministro César Borges, já estão presentes ao local do evento do PT a ministra dos Direitos Humanos, Ideli Salvatti; o ministro da Agricultura, Neri Geller; o ministro das Cidades, Gilberto Occhi; e o assessor especial para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.