Certidão pode ajudar a soltar Jader

O advogado José Eduardo Alkmin obteve na Justiça Federal de Belém uma certidão comprovando que o mandado de prisão preventiva expedido pelo juiz da 2a Vara Federal de Palmas (TO), Alderico Santos, contra o ex-senador Jader Barbalho, não veio com os fundamentos legais contidos no processo. De posse da certidão, Alkmim protocolou no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, um pedido de habeas-corpus, que deve ser apreciado ainda neste sábado pelo juiz Tourinho Neto.Se o pedido não for julgado, Jader poderá passar pelo menos dois dias numa cela da Polícia Federal de Palmas. Em Palmas (TO), outro advogado de Jader, o ex-juiz federal Edson Messias de Almeida, perdeu a primeira batalha para ter acesso ao juiz Alderico Santos e obter cópia do processo onde estão os motivos que levaram o juiz a decretar a prisão preventiva de Jáder.Sem conseguir falar com Santos, o advogado chegou a ir até a casa do juiz, mas lá foi informado pela empregada que ele havia saído da cidade para passar o final de semana no sítio de um amigo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.