Cerimônia será vista por 70 delegações estrangeiras

Solenidade de posse vai ser acompanhada pelo vice-presidente dos EUA, Joe Biden, e dezenas de autoridades; 300 homens da PF farão a segurança

LISANDRA PARAGUASSU , BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2015 | 02h02

A segunda posse da presidente Dilma Rousseff irá reunir em Brasília 70 delegações estrangeiras, entre chefes de Estado, chefes de governo, vices e chanceleres.

O convidado mais esperado, o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, será o último a chegar. Quando seu avião aterrissar em Brasília, às 15h20, Dilma já estará na cerimônia de posse no Congresso Nacional. O vice-presidente participa dos cumprimentos no Palácio do Planalto e do coquetel no Itamaraty, e deve ir embora logo depois.

A curta visita, no entanto, não diminui a importância de mais um encontro entre Biden e Dilma. É o sinal mais claro da reaproximação entre o Brasil e os Estados Unidos e pode marcar a retomada da relação entre os dois países, abalada desde a descoberta de que a National Security Agency (NSA) espionou o governo brasileiro. Da presença de Biden pode sair a autorização para que a visita de Dilma a Washington seja finalmente remarcada.

Caças. A lista inclui ainda o primeiro-ministro da Suécia, Stefan Lofven, que vem como forma de agradecimento pelo contrato celebrado pelo Brasil com a sueca Saab para construção de caças para Força Aérea Brasileira.

Entre os parceiros dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), a representação será feita por vice-presidentes.

No Mercosul, apenas a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, não virá. A informação oficial é de que teria machucado o tornozelo em uma queda, mas antes mesmo disso a previsão era que o país seria representado por Amado Boudou, vice-presidente, porque a presidente não tem se sentido bem. Da região estão confirmados, ainda, o presidente da Bolívia, Evo Morales, e a presidente do Chile, Michele Bachelet.

As delegações começaram a chegar ao Brasil na noite do último domingo. Até a meia-noite de ontem, 20 autoridades estrangeiras já tinham sido recebidas, incluindo chefes de Estado, vices, ministros e embaixadores não-residentes - aqueles de países que não tem representação no Brasil.

Outras 37 devem chegar durante o dia de hoje, inclusive a do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e do presidente eleito do Uruguai, Tabaré Vasquez, que vem acompanhando o atual presidente, José Mujica.

As delegações serão acompanhadas por 300 homens da Polícia Federal. A exceção é a segurança de Joe Biden que, além da PF, traz seguranças e homens do serviço secreto americano. Os Estados Unidos foi o único a requerer o porte provisório de armamento para os seguranças do vice-presidente. Foram 91 pistolas e 15 armas longas - uma delas de precisão, usada por atiradores de elite para longas distâncias.

O esquema de segurança da posse contará com 4 mil militares e 3,6 mil agentes da polícia, sob a chefia do Comando Militar do Planalto, do Exército.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.