Cerimônia no Xingu homenageia Orlando Villas Boas

O indigenista Orlando Villas Boas foi homenageado durante o quarup realizado hoje por índios do Alto Xingu. A festa, que simboliza na cultura indígena o fim do luto e a entrada do espírito na aldeia dos mortos, foi uma das maiores organizadas nos últimos anos. Reuniu integrantes de aldeias do Alto Xingu e do Baixo Xingu, em Mato Grosso, e de outros Estados. De acordo com o cacique Aritana, foi o último quarup que homenageia um homem branco. "Não haverá ninguém como Orlando." Noel e Orlando Villas Boas Filho, filhos de Villas Boas, consideraram a ausência do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e do presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Eduardo Almeida, uma ofensa à memória do pai e à cultura indígena. Eles anunciaram que vão assumir a obra do pai e do tio, Cláudio. "Nossa intenção é sensibilizar a sociedade para a necessidade de se continuar o trabalho", afirmou Orlando Villas Boas Filho. Ele lembrou a importância de assegurar um aparato institucional para comunidades indígenas, para que elas possam interagir com outras culturas sem perder sua identidade. "Isso é perfeitamente possível. Basta ver que essa aldeia, depois de 60 anos de contato, ainda vive com toda força de sua cultura", completou Villas Boas Filho. Toda família de Villas Boas foi homenageada durante a festa. "É a maior homenagem que Orlando recebeu. O quarup significa o fim do luto e marca a alegria que devemos sentir por tudo o que ele fez", afirmou Marina, viúva de Villas Boas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.