Imagem Vera Magalhães
Colunista
Vera Magalhães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Centro refém do Centrão

União de forças depende do grupo, mas, vença quem vencer, ele estará de volta em 2019

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

17 Junho 2018 | 03h00

A tão procurada e até aqui difícil de encontrar união do centro, descrito pelos seus ideólogos como um lugar de convergência de ideais democráticos e de uma agenda reformista para o País, esbarra na força do Centrão, assim com maiúscula e no aumentativo, um conglomerado de partidos com menos propósitos edificantes - mas muito mais força real. Intelectuais podem assinar quantos manifestos quiserem, mas essa união só se dará quando e se o tal Centrão entender que é este o caminho mais adequado para a sua sobrevivência política.

O que hoje se chama de Centrão é um grupo de partidos que se articulou em torno da liderança de Eduardo Cunha. Era integrado por partidos da base de Dilma Rousseff, mas, sob o comando do então todo-poderoso da Câmara, foi decisivo para seu impeachment.

No pós-Dilma e pós-Cunha, quem herdou a chave foi Rodrigo Maia, que contou com o Centrão para de eleger duas vezes presidente da Câmara e já tem com ele apalavrada sua terceira condução, caso seja reeleito deputado.

Mas o fenômeno não é novo: já houve outros centrões, a começar do que atuou na Constituinte. Como o vírus da gripe, ele muda de conformação ano a ano, mas segue poderoso e difícil de combater.

Quem bem definiu a dependência dos grandes partidos dessa massa amorfa foi Fernando Henrique Cardoso. Em 2005, em diálogo com o então petista Cristovam Buarque para a revista do Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos, ele disse que a disputa entre PT e PSDB não era ideológica, mas por poder, pelo comando. “Os dois partidos que têm capacidade de liderança são o PT e o PSDB. No fundo, nós disputamos quem é que comanda o atraso.”

Treze anos e três eleições depois, o País se encaminha às urnas com os dois partidos que tinham a “capacidade de liderança” profundamente combalidos pela Lava Jato, juntamente com o MDB, que perdeu o P e boa parte da força no caminho. A ponto de não mais comandarem o tal atraso, mas mendigarem seu apoio para ter alguma viabilidade eleitoral. Foi assim com Lula e Dilma pateticamente tentando comprar votos em quartos de hotel para tentar impedir o impeachment.

E não é diferente da negociação real, para além dos manifestos bem-intencionados, da aliança que se busca no tal centro, que na verdade é refém do Centrão virulento. DEM, PP, PRB, PR Pros, Solidariedade e outras legendas ainda menores e mais indistintas tentam negociar em bloco para onde levar seu tempo de TV e sua capilaridade na mais importante e imprevisível sucessão presidencial das últimas décadas.

Alheios aos grandes temas propostos pelos que buscam a união do centro - reforma da Previdência, ajuste fiscal, garantias institucionais -, os partidos do Centrão olham pesquisas, arranjos regionais e cifras dos fundos públicos que lhes abastecem as burras antes de decidir para onde ir.

O objetivo não é escolher aquele mais comprometido com a tal agenda reformista, mas o que tenha mais “cheiro de poder”, como o presidente do PP, Ciro Nogueira, definiu para os colegas de conglomerado numa reunião nesta semana, segundo um dos participantes.

Por ora, eles não sentem esse odor exalando de Geraldo Alckmin, o tucano da vez. Buscam ainda opções de proveta, como Josué Gomes, do PR, e avaliam até Ciro Gomes - que não comunga com muitos dos itens da tal pauta do centro - justamente porque Alckmin lhes parece inodoro demais. O cálculo pragmático pode até fazer com que o Centrão se divida em organismos menores na campanha, cada um atendendo à própria conveniência. Mas uma coisa é certa: vença quem vencer, ele estará de volta, forte e necessário, em 2019. O que FHC não previu, mas aconteceu, é que hoje é o atraso que está no comando.

Mais conteúdo sobre:
Vera Magalhães eleições 2018

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.