Centro precisa se viabilizar contra populismo, dizem cientistas políticos

Para Luis Felipe d’Ávila e José Alvaro Moisés, é preciso que haja uma 'terceira força', além do antibolsonarismo e do antipetismo

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2021 | 05h00

O cientista político Luis Felipe d’Ávila considera que uma eventual união entre candidatos centristas deve ser feita com base em três diretrizes: o combate à corrupção e aos privilégios, a preocupação com os mais pobres e a promoção do serviço público de qualidade para garantir acesso à Educação e à Saúde aos mais necessitados. “O centro precisa criar a vacina contra o populismo”, disse.

Segundo d’Ávila, o presidente Jair Bolsonaro foi eleito por quatro grupos e já foi abandonado por três deles: os antipetistas, os liberais e os lavajatistas. Mantém o apoio dos fidelíssimos, do “bolsonarismo duro”. Mas, avalia, hoje a maioria dos brasileiros deseja um governo totalmente diferente do atual, e um candidato em um partido médio, como Cidadania e o Podemos, teria mais chance de atrair outras siglas sem prejudicar os acertos regionais.

Para ele, o antibolsonarismo deve ter papel central na eleição em 2022. “Os votos que Lula e que Bolsonaro tiveram são votos do passado. Bolsonaro carregará o peso da crise sanitária, Lula o da corrupção e Moro o da resistência ao seu nome na esquerda. O centro é que pode construir pontes. Se o centro chegar ao segundo turno, ele ganhará a eleição.”

Substituição

O cientista político José Alvaro Moisés concorda que o antibolsonarismo deve ocupar o papel do antipetismo nessa eleição em razão do “desastre da política sanitária” do governo. “É possível que o eleitor antipetista abandone Bolsonaro e procure alguém mais competitivo contra Lula em 2022.” Para que haja uma terceira força capaz de capturar parte do antibolsonarismo e o voto de esquerda crítico ao PT, diz Moisés, seria necessário que o centro democrático não aparecesse dividido na próxima eleição.

O cientista político acredita ser necessário que o centro apresente um programa viável de retomada econômica com a criação de empregos e a defesa da democracia, combatendo a desigualdade “abismal”. “É preciso que o centro saiba dialogar com o sentimento de rejeição da política para que ele não desapareça. Nós precisamos de estadistas.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.