Centrais sindicais e governo fecham o mínimo em R$ 380

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves (o Juruna) confirmou nesta quarta-feira que as centrais sindicais fecharam nesta madrugada um acordo para a elevação do valor do salário mínimo para R$ 380. Segundo Juruna, os ministros do Trabalho, Luiz Marinho, e da Previdência, Nelson Machado, vão submeter ainda nesta quarta o acordo ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Os ministros acham que há grandes chances de ser confirmado esse valor", afirmou Juruna. Segundo o secretário, o novo valor de R$ 380 seria o equivalente a inflação de 2006 mais 5% de aumento real. Também ficou acertado o pagamento desse valor a partir de 1º de abril de 2007 e a correção da Tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física em 4,5%, em 2007. De acordo com Juruna, foi fechada uma política de correção do salário mínimo para os próximos quatro anos, com base na inflação do ano anterior, mais o crescimento do Produto Interno Bruto do ano anterior. "Assim, até 2011 teremos esse critério de reajuste do mínimo e voltamos a reavaliá-los nos anos seguintes", disse Juruna. O projeto orçamentário de 2007 previa um valor de R$ 375 para o mínimo, enquanto as centrais reivindicavam R$ 420. Por causa da revisão para baixo do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), no entanto, a área econômica vinha defendendo um valor de R$ 367. A intenção do Governo e das centrais sindicais era fechar um acordo para que a proposta fosse votada pelo Congresso ainda nesta semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.