Centrais acusam aliados do Planalto de agir de forma dúbia

Aliadas ao Palácio do Planalto, as duas entidades sobem o tom das críticas ao falar do governo em plenárias

Pedro Venceslau e Valmar Hupsel Filho, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2016 | 06h00

Dirigentes de centrais da oposição consideram que tanto a Força Sindical quanto a União Geral dos Trabalhadores (UGT) têm agido de forma dúbia para evitar a perda de apoio na base em função da aproximação com o governo Michel Temer. Eles citam como exemplo a reunião entre as entidades para a realização de uma greve geral, programada para sexta-feira passada.

Um sindicalista da Central Única dos Trabalhadores (CUT) disse que os presidentes da Força e da UGT chegaram a afirmar que estavam participando da reunião para sinalizar a seus associados que apoiavam o ato, mas informaram na ocasião que não iriam participar, como de fato aconteceu.

O deputado Paulinho da Força (SD-SP), presidente da Força, afirmou que na reunião ficou definido o dia 25 como o dia do ato nacional pela garantia dos direitos trabalhistas. A data, segundo ele, ficou definida entre diretores de todas as entidades, mas a CUT foi pressionada pela base a antecipar o ato.

Adilson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), ligada ao PCdoB, mas com presença também do PDT e PT, disse ao Estado que o alinhamento da UGT e Força com governo não tem respaldo das bases. “Vamos disputar essas bases. O trabalhador não foi consultado sobre a aproximação da Força e UGT com o governo.” Adilson afirmou que a CTB e as demais centrais também querem manter o diálogo aberto com o governo.

Em discurso nas plenárias sindicais da Força, o metalúrgico Miguel Torres, vice-presidente da entidade, subiu o tom contra o governo Temer para evitar uma migração de sindicatos para a CUT.

“Não vamos admitir perda de direitos. O governo precisa tomar algumas providências antes das reformas, como taxar grandes fortunas, lucros e dividendos.” A CUT afirmou que já há migração de sindicatos para a sua base. Paulinho, porém, negou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.