Censura afeta percepção sobre País, diz especialista

O diretor do Instituto Brasil do Woodrow Wilson Center For Scholars em Washington, nos Estados Unidos, e professor visitante da George Washington University, Paulo Sotero, avalia como "frustrante" o episódio de censura ao Estado, em voga desde o dia 31 de julho sob decisão do desembargador Dácio Vieira, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. "O episódio é lamentável, porque envolve um ex-presidente do Brasil (José Sarney), uma figura que exerceu papel positivo na transição para a democracia", afirmou.Para Sotero, especialista em comunicação e em relações internacionais brasileiras, a decisão pode impactar na percepção sobre o Brasil na cena global. "A ascensão tem a ver com dados qualitativos relacionados ao caráter democrático da vida brasileira nas últimas duas décadas", assinalou Sotero. "É um País que tem mostrado que é possível estabilizar sua economia, enfrentar os problemas sociais em um ambiente político aberto, competitivo e respeitador do elemento central da democracia que é a liberdade de expressão."De acordo com o especialista, o Brasil agora tem a chance de reverter a decisão que silenciou o Estado sobre a Operação Boi Barrica, que envolve Fernando Sarney, filho do presidente do Senado José Sarney, e transformar o episódio de censura em uma demonstração positiva de que a democracia brasileira é mantida pela Constituição. "Como o Brasil tem uma reputação democrática, existem expectativas. E o resultado final, eu confio, será positivo", anotou Sotero. Como forma de ratificar sua posição, o especialista lembrou da repercussão do impeachment ao então presidente e hoje senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL). "O escândalo que inviabilizou a administração Collor foi negativo, mas a forma como o País solucionou o escândalo usando a Constituição para a remoção do presidente foi bem vista, como amadurecimento democrático", disse Sotero, que afirma confiar nos tribunais superiores. R.A.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.