Cenário sucessório favorece oposição, diz Genoíno

O presidente em exercício do PT, deputado federal José Genoíno, acredita que o cenário sucessório de 2002 é "favorável" aos partidos de oposição. "Não podemos ficar de salto alto. Temos de trabalhar bastante, sem menosprezar ninguém." Genoíno afirmou ainda que, dentro do PT, a postura é de evitar o "bate-boca" com quaisquer que sejam os presidenciáveis dos outros partidos. "Não vamos ficar batendo boca nem com o Itamar, nem com o Ciro nem com o Garotinho."Em relação à possível candidatura do ministro da Fazenda, Pedro Malan, à presidência pelo PSDB, Genoíno disse: "Não vamos opinar sobre eventuais adversários do PSDB. Isso é um problema deles", afirmou. "Não importa o candidato. Somos contra o modelo e o governo Fernando Henrique Cardoso, que fala tanto em medidas econômicas, mas toda vez que há uma crise lá fora, bate aqui."Apesar de considerar a recuperação da popularidade de Fernando Henrique "muito pequena", - segundo pesquisa Sensus para CNT a avaliação positiva do presidente subiu de 17,7% para 19,8% - Genoíno afirma que PT "não está nem vai menosprezar" o papel do governo nas eleições de 2002. "Sabemos que o governo tem a caneta e a chave do cofre na mão." Mesmo assim, Genoíno avalia que a recuperação da popularidade do presidente Fernando Henrique Cardoso, registrada ontem em pesquisa, não ameniza o desgaste do governo federal. "O desgaste do governo Fernando Henrique é profundo. Há crise energética, crise ética. O governo está saturado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.