Cenário para sucessão aponta Serra na frente

A popularidade de Lula é, por enquanto, intransferível: nenhum dos candidatos do partido do presidente se destaca na simulação da eleição presidencial de 2010, feita pela pesquisa CNT/Sensus. O governador José Serra (PSDB-SP) sai à frente na preferência dos eleitores com um porcentual mínimo de 37,2% e um máximo de 38,2%, sempre superando o deputado Ciro Gomes (PSB-CE), que atinge entre 18,5% e 19,6%. A surpresa é a ex-senadora Heloísa Helena (PSOL-AL), que consegue preferências de dois dígitos (entre 12,8% e 13,6%), no limite do empate técnico com Ciro.No cenário em que o nome de Serra é substituído pelo governador Aécio Neves (PSDB-MG), Ciro fica à frente, com 25,8%, e Heloísa se posiciona em segundo, com 19,1%, deixando o terceiro posto para Aécio, com 16,6%. Os cenários experimentaram os nomes de três ministros do PT e todos ficaram em quarto lugar: Dilma Rousseff (4,5% e 5,4%), Patrus Ananias (3,4%) e Tarso Genro (4,9%).SEGUNDO TURNONas simulações de segundo turno, Serra bate facilmente todos os oponentes. A diferença menor ocorreria num suposto embate com Ciro: o tucano venceria por 46,5% a 25,5%, com mais de 20 pontos porcentuais de vantagem. Contra os ministros petistas, a disputa é desigual. Se as eleições fossem hoje, Serra venceria Patrus Ananias por mais de 50 pontos porcentuais de vantagem - 59,1% a 8%. Na simulação contra Dilma Rousseff a diferença seria um pouco menor: 57,5% a 10,1%. Tarso Genro é o único petista que consegue atingir um patamar de dois dígitos na simulação de segundo turno: o resultado seria 57,5% a 10,1% em favor de Serra.Apesar de um desempenho modesto nas simulações de primeiro turno, Aécio vence os três ministros petistas nas simulações de segundo turno, sempre por margens bem menores que as obtidas por Serra. Para Ricardo Guedes, "Serra é um candidato fortíssimo para 2010".Nas citações espontâneas, 18,6% dos eleitores brasileiros citaram Lula como seu candidato para 2010, seguido por Serra (5,1%), Aécio (3%), o ex-governador Geraldo Alckmin (2,1%), Ciro Gomes (1,2%) e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.