Celso de Mello rejeita pedido de anulação de acordo da JBS

Ministro do STF alega ser 'inadmissível' impugnação de delação por quem não tem relação com as negociações

Breno Pires e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2017 | 21h06

BRASÍLIA - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello negou anular a homologação da delação premiada dos executivos da JBS. O pedido havia sido feito pelo governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB-MS). 

Os advogados alegavam que não foi cumprido o requisito da "legalidade", um dos três necessários para validar no Supremo de acordo de colaboração premiada, junto com a "voluntariedade" e a "regularidade". 

"Nesse caso, restando inequívoco que Joesley e Wesley são líderes de organização criminosa, não se poderia, jamais, deixar o Ministério Público oferecer denúncia, muito menos ter sido homologado o temo de colaboração.”, disse o advogado Gustavo Passarelli da Silva a respeito do acordo dos irmãos Batista.

Celso de Mello, no entanto, destacou que a jurisprudência atual do Supremo não admite habeas corpus contra decisão de um outro ministro do STF. Além disso, o ministro argumentou que, mesmo se fosse cabível a ação, há um outro problema: "é que revela-se inadmissível a impugnação do próprio acordo de colaboração premiada por terceiro estranho à relação jurídico-negocial nele consubstanciada". Dessa forma, alguém que não faz parte do acordo de colaboração não tem legitimidade para tentar anular o acordo de colaboração premiada homologado.

O ministro destacou que, ao defensor, haverá a possibilidade de, em alguma investigação aberta contra ele,"contestar, em juízo, no exercício do contraditório, o depoimento do agente colaborador e as provas que se produzirem por efeito de sua ooperação, podendo impugnar, ainda, sempre no procedimento penal-persecutório em que ostentar a condição de investigado, indiciado ou réu, as medidas de privação de sua liberdade ou de restrição a seus direitos".

Um outro ponto sustentado pelo ministro é o de que há jurisprudência no STF que não vê legitimidade para questionar, por meio de habeas corpus, a validade jurídica do ato que homologou acordo de colaboração premiada celebrado entre o Ministério Público e agentes colaboradores. "O negócio jurídico processual em questão, em razão de sua natureza personalíssima, constitui, em relação a terceiros, 'res inter alios acta', a significar que o seu conteúdo não obriga nem vincula a esfera jurídica dos 'extranei', motivo pelo qual nem mesmo os corréus (ou partícipes) dos crimes praticados pelo colaborador, eventualmente mencionados nas  declarações subjacentes ao acordo, adquirem legitimação jurídica para  buscar-lhe a invalidação", disse Celso de Mello. 

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na Corte, decidiu encaminhar um outro pedido feito pela defesa de Azambuja de questionamento da validade da delação. Mas ainda não há data para esse julgamento.

Comparação. Em petição encaminhada ao STF, advogados que irão defender o acordo firmado pelo grupo J&F, dos irmãos Batista, sustentam que a delação dos empresários é efetiva. Alguns dos argumentos coincidem com os apresentados pelo ministro Celso de Mello.

A defesa do acordo no Supremo, encabeçada pelo advogado Pierpaolo Bottini, entregou planilhas comparativas do que foi entregue e realizado pelo grupo J&F, confrontando com a situação de outros delatores. A intenção é mostrar que, além de o acordo ser legal, foi útil para os investigadores, é amplo e entrega provas contundentes contra agentes públicos. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.