ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO
ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

Celso de Mello: MP independente constitui garantia dos direitos dos cidadãos

Ministro rebateu o argumento de que haveria uma "absoluta ausência de imparcialidade" de Janot que motivaria a suspeição

Breno Pires, Rafael Moraes Moura, Igor Gadelha e Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2017 | 17h40

BRASÍLIA- O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu a atuação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o papel do Ministério Público Federal como um todo ao votar no julgamento em que a Corte rejeitou, por unanimidade, o pedido de suspeição feito contra o procurador pela defesa do presidente Michel Temer. "É preciso reconhecer que o MP independente constitui certeza e garantia dos direitos dos cidadãos", afirmou Celso de Mello no julgamento.

O ministro rebateu o argumento de que haveria uma "absoluta ausência de imparcialidade" de Janot que motivaria a suspeição, utilizado no plenário pelo advogado do presidente Michel Temer, Antônio Cláudio Mariz. Celso de Mello afirmou que ser parcial é dever do Ministério Público Federal, como órgão acusador do Estado.

"No procedimento acusatório, deve o promotor atuar como parte, pois, se não atuar como parte, debilitada estará a função repressiva do Estado. O papel do MP no processo não é de defensor do réu, não é de papel do juiz, e sim o de órgão com interesse punitivo do Estado", disse Celso de Mello. "O Ministério Público é parte no processo penal, não atua de forma imparcial", reforçou.

De todos os votos dos ministros, que frustram a pretensão da defesa do presidente Michel Temer, o de Celso de Mello foi o mais contundente em defesa de Janot e do Ministério Público Federal (MPF), que não deve "curvar-se aos desígnios dos detentores do poder", segundo ele.

"Não posso deixar de reconhecer a atuação responsável, legítima, independente de Rodrigo Janot, que tem exercido a chefia do Ministério Público da União com grande seriedade, atento aos gravíssimos encargos que incidem sobre o MP, notadamente, em situações que envolvem implacável persecução estatal movida em face de delinquentes que, em contexto de criminalidade organizada, atentam contra o ordenamento positivo do Estado brasileiro, praticando delitos que tem ultrajado a consciência e desrespeitado o sentimento de decência do Povo de nosso País", afirmou Celso de Mello.

"O MP independente e consciente de sua missão histórica e do papel institucional que lhe cabe desempenhar, sem tergiversações, no seio de uma sociedade aberta e democrática, constitui a certeza e garantia da intangibilidade dos direitos dos cidadãos, ampliação das liberdades fundamentais e da supremacia do interesse social, sobretudo em um País como o nosso em que, lamentavelmente, se evidenciam relações antagônicas e conflituosas que tendem a patrimonializar a coisa pública", acrescentou o ministro.

Celso de Mello afirmou também que é papel do Supremo repelir os delitos que o Ministério Público Federal vem apontando.

"O Supremo repele, e com vigor, atos intoleráveis que visam capturar criminosamente as instituições do Estado, submetendo-as de modo ilegítimo em detrimento do interesse público. Essa corte suprema não hesitará, agindo com isenção", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.