Celso Amorim minimiza crítica de petista sobre Lieberman

'Se eu fosse ficar incomodado com tudo que se fala nesse País, não saía da minha sala', ironiza chanceler

Eugênia Lopes, de O Estado de S. Paulo,

22 de julho de 2009 | 18h52

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, reagiu nesta quarta-feira, 22, com desdém às declarações feitas esta semana pelo secretário de Relações Internacionais do PT, Valter Pomar, sobre o chanceler israelense, Avigdor Lieberman. Pomar acusou Lieberman, que visitou o Brasil nos últimos dois dias, de "racista e fascista", numa entrevista publicada pelo jornal israelense Haaretz. "Se eu fosse ficar incomodado com tudo que se fala nesse País, inclusive quando vêm outros visitantes, quando estão para vir outros visitantes, eu não saía da minha sala", ironizou Amorim.

 

Veja também:

linkIsrael quer convencer Brasil do perigo do Irã, diz Lieberman

linkChanceler de Israel usará foto de Hitler para justificar colônia

Segundo ele, Lieberman, que se encontrou hoje com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não comentou em nenhum momento as declarações do petista. O ministro ressaltou que o Brasil é um país "plural, com uma ampla gama de opiniões" e cabe ao governo brasileiro estabelecer o diálogo com os diferentes governos. "Nós não escolhemos nossos interlocutores por uma definição ideológica", afirmou Amorim.

Tudo o que sabemos sobre:
Avigdor LiebermanCelso Amorim

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.