CCJ prepara maratona de audiências para discutir CPMF

Na sessões do Senado para discutir a prorrogação são esperados, além de ministros, economistas e banqueiros

NÉLIA MARQUEZ, Agencia Estado

26 Outubro 2007 | 16h26

Quatro ministros, dois ex-ministros, economistas e banqueiros participam na próxima semana da maratona de audiências públicas marcadas pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado para discutir a proposta de emenda constitucional que prorroga até 2011 a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e o mecanismo de Desvinculação de Receitas da União (DRU).   Veja também:    Entenda a cobrança da CPMF  'Todos candidatos à Presidência querem CPMF', diz Lula Para a primeira audiência, marcada para esta terça-feira, foram convidados Pedro Albuquerque, professor da University of Minnesota; Hugo de Brito Machado, presidente do Instituto Cearense de Estudos Tributários; José Roberto Afonso, economista do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); e Paulo de Barros Carvalho, presidente Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET).Duas audiências estão marcadas para quarta-feira. Uma, na parte da manhã, com a participação dos ex-ministros da Fazenda Pedro Malan e Antonio Palocci, o economista Marcos Lisboa, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da fazenda, e Samuel Pessoa, economista e Professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Na outra, à tarde, participarão Márcio Issao Nakane, professor da Universidade de São Paulo (USP); Ives Gandra Martins, advogado especialista em Direito Tributário e Finanças; Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP); e Fábio Colletti Barbosa, presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).A quarta audiência pública foi marcada para a quinta-feira com a participação dos ministros da Fazenda, Guido Mantega, do Planejamento, Paulo Bernardo, da Saúde, José Gomes Temporão, e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias.   Texto corrigido em 30 de outubro, às 15h39. Diferentemente do que foi informado, Paulo de Barros Carvalho é presidente do IBET, Instituto Brasileiro de Estudos Tributários, e nao do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT).

Mais conteúdo sobre:
CPMFCCJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.