CCJ da Câmara adia para 3ª a votação de novas regras para MPs

Desde terça, foram realizadas reuniões com líderes, mas nenhuma levou a um entendimento sobre prazo

Denise Madueño, de O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2008 | 15h34

Sem acordo, a comissão especial da Câmara que trata da proposta de mudanças na edição e tramitação de medidas provisórias  (MPs) adiou para a próxima terça-feira a votação do parecer do relator, deputado Leonardo Piccianni (PMDB-RJ).   Veja também:   ESPECIAL: Veja quantas MPs cada presidente editou   O presidente da comissão, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que um acordo em torno da proposta está próximo e que, portanto, era conveniente o adiamento da votação. "O debate está maduro, e o assunto está em andamento", disse.   Desde terça à noite, foram realizadas várias reuniões do presidente e do relator da comissão com líderes dos partidos de oposição e do governo, em busca de um entendimento.   O líder do PSDB, deputado José Aníbal (SP), afirmou que um dos pontos que precisam ser resolvidos é a questão do tempo de validade da medida provisória. Os partidos de oposição insistem na manutenção dos atuais 120 dias, contrariando a proposta do relator, que aumentou o período para até 175 dias.   O deputado Flavio Dino (PCdoB-MA) manifestou preocupaçãop com o adiamento. Segundo ele, quanto mais tempo passar, mais ficará difícil um acordo sobre a proposta, porque as posições ficam muito consolidadas. Ele defende a votação rapídamente na comissão, deixando para o plenário da Casa a continuidade das discussões.   "Se não votar hoje, é difícil ir adiante", disse Dino, comparando a votação da proposta de mudanças nas Mps com a da reforma política, que começou no ano passado com muito disposição, mas acabou não sendo concluída.

Tudo o que sabemos sobre:
Medidas provisórias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.