CCJ barra depoimento de Jorge Félix sobre câmeras do Planalto

Comissão da Câmara rejeitou convocação de ministro-chefe que explicaria sistema de segurança do Palácio

Agência Brasil,

07 Outubro 2009 | 15h16

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara rejeitou requerimento de convocação do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Jorge Armando Félix. Ele deveria fornecer explicações sobre o sistema de câmeras de segurança instalado no Palácio do Planalto.

O requerimento foi apresentado à época em que a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira afirmou que se encontrou com a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Segundo Lina, a ministra pediu agilidade nas investigações sobre negócios da família Sarney.

À época, Lina confirmou no Senado que foi chamada ao Planalto para tratar do assunto. Dilma negou o encontro, que, de acordo com a ex-secretária da Receita, não foi oficial, por isso, não foi registrado na agenda das duas.

O Democratas pediu cópia das gravações das câmeras para analisar se havia registro da passagem de Lina pela Presidência, mas ouviu do GSI que as gravações eram periodicamente apagadas.

No momento em que a CCJ da Câmara rejeitava o requerimento, Félix estava reunido com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), para tratar da sabatina do chefe interino da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Wilson Trezza. O chefe do GSI comentou o requerimento: "Já fizemos o que era possível para esclarecer. Inclusive foi feito um convite por intermédio do presidente da Câmara e do presidente do Senado a qualquer deputado e senador que queira ir conhecer o sistema em funcionamento", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.