Ed Ferreira|Agência Estado
Ed Ferreira|Agência Estado

Cavendish deu anel de R$ 800 mil para Cabral entregar à mulher, diz jornal

Caso teria sido relatado à força-tarefa da Lava Jato para fortalecer pedido de delação premiada do empreiteiro da Delta Construções

O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2016 | 11h05

RIO - O empreiteiro Fernando Cavendish, dono da Delta Construções, teria dado um anel de € 220 mil (cerca de R$ 800 mil) para o ex-governador do Rio Sérgio Cabral presentear à então primeira-dama do Estado, Adriana Ancelmo, em seu aniversário. A informação foi divulgada pelo jornal O Globo, na edição desta quinta-feira, 20. Cavendish teria relatado o caso à força-tarefa da Lava Jato no Rio e em Brasília para fortalecer seu pedido de delação premiada, que ainda não foi aceito.

A joia, segundo o relato de Cavendish à força-tarefa, teria sido comprada em Mônaco, na Van Cleef & Arpels, famosa joalheria, na Place du Casino. Cabral teria levado o amigo empreiteiro à loja, escolhido o anel e pedido a Cavendish que fizesse o pagamento, prometendo ressarci-lo, o que não aconteceu. A Delta tinha contatos milionários com o Estado. A empreiteira recebeu, entre 2009 e 2010, R$ 538 milhões em contratos nos dois governos de Sérgio Cabral.

De acordo com a reportagem, o empreiteiro teria apresentado à Justiça, como provas da compra do presente, a nota fiscal da joia, o certificado de compra e o comprovante de pagamento com cartão de crédito. Também há uma foto de Cabral com Adriana, em um restaurante luxuoso, na qual a mulher exibe o suposto presente na mão esquerda.

Segundo o jornal, depois que Cabral e Cavendish romperam a amizade, o anel foi devolvido a ele por um amigo do ex-governador, Paulo Fernando Magalhães Pinto. A parceria terminou depois que foi divulgada a informação de que a Delta usava empresas do bicheiro Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, para lavar dinheiro.

De acordo com a reportagem, o empreiteiro também contou ter dado uma Ford Ranger 2007, placa KXG 0628, ao governador. Para não despertar suspeitas, o veículo foi registrado em nome de Magalhães Pinto, amigo de confiança de Cabral.

Segundo o jornal, Cavendish disse não poder dar entrevista a respeito da delação devido à sua situação judicial. Por nota, Cabral disse ao jornal que “não tem como se posicionar sobre supostas declarações cujo conteúdo desconhece”. Magalhães Pinto não foi localizado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.