Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Réu, Cachoeira vai para prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica

Assim como o bicheiro, o empresário Fernando Cavendish também deverá cumprir pena em sua casa quando voltar da Europa

Fábio Grellet, Estadão Conteúdo

01 de julho de 2016 | 19h48

Um dia depois de ser preso sob a acusação de integrar um esquema de lavagem de R$ 370 milhões em verbas públicas federais encabeçado pela empreiteira Delta Construções SA, o bicheiro Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, conseguiu um habeas corpus que transformou sua prisão preventiva em domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica de monitoramento. 

A decisão do desembargador Antonio Ivan Athié, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), beneficiou mais quatro pessoas. Adir Assad e Marcelo Abbud, donos de empresas fantasmas que lavavam o dinheiro, e Cláudio Abreu, ex-diretor da Delta, haviam sido presos anteontem. O quinto beneficiado é o ex-presidente da Delta, Fernando Cavendish, que também teve a prisão decretada, mas que não havia sido preso por estar em viagem na Europa.

Segundo informou a assessoria de imprensa de Cavendish à tarde, ele “está providenciando o retorno ao Rio de Janeiro”, mas ainda não tem data para voltar. 

Quando chegar, não será mais encaminhado a uma carceragem: ficará em sua residência, um apartamento de luxo de frente para o mar do Leblon (zona sul), do qual não poderá sair. Os outros quatro acusados, levado a carceragens no Rio, seriam encaminhados para suas casas a partir de ontem à noite. A assessoria de Cavendish divulgou que, “consciente da legalidade dos seus atos”, ele “sempre atendeu às solicitações da autoridade policial e assim continuará a fazer”.

O advogado de Marcelo Abbud e Adir Assad, Miguel Pereira Neto, disse que a prisão deles não se justificava, porque era baseada em suposições. Ele afirmou que os clientes não eram donos das empresas fantasmas, que, segundo o Ministério Público Federal, emitiam notas frias não só para a Delta, mas para outras empresas corruptas. “Quem supõe não poderia concluir com elementos concretos, como consta da decisão. O magistrado, com todo o respeito, supôs e intuiu”, afirmou.

Assad já estava preso e usava tornozeleira eletrônica - foi condenado na Lava Jato a nove anos e 10 meses de prisão por empregar firmas de fachada para lavar o dinheiro da propina no esquema de corrupção na Petrobrás. “Não haveria a mínima condição de ele preencher os requisitos para que fosse decretada uma prisão preventiva. Os atos que são apontados se referem ao período entre 2007 e 2012, ou seja, são pretéritos”, continuou o advogado. Os advogados de Carlinhos Cachoeira e a de Cláudio Abreu não foram localizados pelo Estado.

Na quinta-feira, a Justiça Federal aceitou a denúncia feita pela Procuradoria da República no Rio de Janeiro contra os cinco e mais outras 18 pessoas acusadas de integrar o esquema. No mesmo dia, a Justiça também decretou a prisão dos cinco. Eles são acusados de lavagem de dinheiro e de formação de quadrilha. Agora, deverão ficar em casa até que comprovem vínculo empregatício, terão de comparecer quinzenalmente em juízo e não poderão manter contato com os demais investigados. Eles devem entregar o passaporte até amanhã.

O procurador Leandro Mitidieri, autor da denúncia, pediu ainda à Justiça que o ganho decorrente dos crimes praticados seja devolvido, no total de R$ 740,8 milhões (duas vezes o valor movimentado ilegalmente). “Não há divisão prévia desse valor entre os réus. Se o pedido for aceito, todos se tornam devedores solidários, e os bens são recolhidos, sejam de qualquer um dos réus, até atingir esse valor”, explicou o procurador ontem.

Ele reafirmou que funcionários públicos e políticos ainda estão sendo investigados por envolvimento no esquema, mas ainda não há data para a apresentação de eventuais denúncias contra eles. “Essa parte será feita pelo grupo de procuradores responsável pela Operação Lava Jato no Rio”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.