Causas e efeitos da lista dos investigados

O problema da corrupção e do contubérnio entre agentes políticos e interesses privados não é privilégio de um único partido, mas uma marca do modus operandi do sistema político brasileiro e de seu modelo de financiamento

Cláudio Gonçalves Couto, O Estado de S. Paulo

12 de abril de 2017 | 07h05

A divulgação da lista dos investigados graças às delações da Odebrecht ratifica algo já sabido, ao menos por quem lia realidade com olhos enviesados: o problema da corrupção e do contubérnio entre agentes políticos e interesses privados não é privilégio de um único partido, mas uma marca do modus operandi do sistema político brasileiro e de seu modelo de financiamento.

É por isso que, além de partidos e lideranças integrantes das coalizões governamentais das Presidências petistas, destacam-se entre os indiciados membros ilustres da oposição, que obraram diligentemente pelo impeachment: estão lá PSDB, DEM e PPS. O ex-candidato presidencial tucano Aécio Neves lidera o número de inquéritos, com cinco, postando-se ombro a ombro com um indefectível governista congênito, o peemedebista Romero Jucá. Mas não estão sozinhos: fazem-se acompanhar de políticos de todos os principais partidos e de quase todos os Estados da federação, evidenciando se tratar de um problema sistêmico que unifica aliados e adversários.

Trata-se também de uma lista de nomes importantes. São os caciques os investigados, não a arraia-miúda. É por isso que a proporção de senadores atingidos é bem superior à dos deputados: 36% do Senado, contra apenas 8% da Câmara. E mesmo no caso dos deputados, são as cabeças dos partidos que entram na alça de mira. Isso gera um problema de segunda ordem: lideranças organizam bancadas, definem agendas e pautam votações. Se fragilizadas, têm seu trabalho dificultado, reduzindo a chance de aprovar matérias controversas, como as reformas hoje sob análise do Congresso.

Há três desdobramentos possíveis, não completamente excludentes. Um, a assunção de uma agenda positiva, que busque legitimação substantiva, demonstrando que mesmo políticos enrascados se preocupam com o País. Outra, uma agenda reativa, visando a “estancar a sangria” das investigações, aprovando leis autoindulgentes. Ou, simplesmente, a paralisia, jogando para futuro incerto a solução de nossos problemas prementes. Apostar num único cenário seria futurologia inconsequente. Aguardemos.

*

É CIENTISTA POLÍTICO, PROFESSOR DA FGV-SP E PESQUISADOR DO CNPQ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.