Agência Brasil
Agência Brasil

Castelo de areia não teve como foco políticos, diz De Sanctis

Em nota, juiz afirma ainda que as cópias dos processos com os diálogos também foram entregues aos advogados

Elvis Pereira, da Central de Notícias,

27 de março de 2009 | 18h08

O juiz Fausto Martin de Sanctis, da 6ª Vara Criminal Federal, ressaltou nesta sexta-feira, 27, em nota, que as investigações da Operação Castelo de Areia "jamais tiveram por foco condutas eventualmente perpetradas por ocupantes de cargos públicos ou funções políticas". Desencadeada na quarta, 25, a ação da Polícia Federal (PF) resultou na prisão de 10 pessoas, entre elas quatro executivos da construtora Camargo Corrêa. O juiz explica ainda que todos os advogados dos investigados "obtiveram cópias do inteiro teor da decisão, que contempla diálogos diversos". Alguns diálogos vazaram para a imprensa.

 

Veja também: 

especial Entenda a operação que atingiu a Camargo Corrêa

lista Leia trechos de grampos da Operação Castelo de Areia

documento Leia a sentença do juiz federal Fausto De Sanctis

linkGrampos indicam doações ‘por fora’ de empreiteira

linkSem citar nomes, Lula pede à PF fim de pirotecnia nas ações

linkDEM pedirá acesso à investigação

linkTarso nega conotação política na ação que atingiu empreiteira

linkCamargo Corrêa é suspeita de doações ilegais a sete partidos

linkPF prende diretores da Camargo Corrêa por crimes financeiros; construtora repudia ação

 

O esquema consistiria em fraudes em licitações, superfaturamento de obras públicas e remessas ilegais a paraísos fiscais. Grampos da PF apontam que sete partidos seriam beneficiados por recursos supostamente desviados de obras superfaturadas. No comunicado, Fausto Sanctis ressaltou que a operação apura supostos crimes cometidos apenas por pessoas com "profissões de natureza privada". "Trata-se de decisão técnica e sem qualquer conotação que não a da busca cautelosa da verdade", traz a nota.

 

Segue a nota na íntegra:

 

Em razão do desencadeamento da Operação "CASTELO DE AREIA" pela Polícia

Federal, houve necessidade de publicidade parcial da decisão judicial que a autorizou, com a cautela de preservação de todos os diálogos, para proteção dos investigados, de terceiras pessoas, e de seus endereços, evitando indevida exposição.

 

Objetivou-se evitar distorções ou especulações de qualquer ordem acerca das atividades deste juízo, todavia, em razão das notícias veiculadas nesta data em diversos meios de comunicação e das recentes manifestações públicas, cumpre-me esclarecer:

 

a) As investigações, desde seu início, jamais tiveram por foco condutas eventualmente perpetradas por ocupantes de cargos públicos ou funções políticas;

 

b) As investigações apuram o suposto cometimento de crimes apenas de investigados com profissões de natureza privada, notadamente de "lavagem" de dinheiro, tendo como antecedentes crimes contra a Administração Pública e crimes financeiros, perpetrados, em tese, mediante organização criminosa;

 

c) Todos os elementos que lastrearam a decisão judicial baseiam-se em afirmações constantes de diálogos monitorados e obtidos por intermédio de Interceptações Telefônica, Telemática e Ambiental, sem contar outras medidas autorizadas judicialmente;

 

d) Trata-se de decisão técnica e sem qualquer conotação que não a da busca cautelosa da verdade;

e) Em 25.03.2009, todos os advogados dos investigados obtiveram cópias do inteiro teor da decisão, que contempla diálogos diversos, e, no dia 26.03.2009, foram disponibilizadas cópias integrais digitalizadas dos feitos, sendo que apenas dois investigados ainda não solicitaram estas últimas;

 

f) O momento exige, de todos, cautela, reflexão e o aguardo da finalização das investigações, devendo ser evitados açodamentos e conclusões precipitadas ou tendenciosas.

 

FAUSTO MARTIN DE SANCTIS

Juiz Federal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.