Cassado por distribuir cheques, Cunha Lima recorrerá ao Supremo

Acusado de comprar votos de 35 mil eleitores, governador da Paraíba é condenado por unanimidade no TSE

Felipe Recondo, O Estadao de S.Paulo

21 de novembro de 2008 | 00h00

O uso da máquina pública nas eleições levou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pela terceira vez desde que foi criado, a cassar o mandato de um governador. Na quinta-feira, Cássio Cunha Lima (PSDB), governador reeleito da Paraíba, juntou-se a Flamarion Portela (Roraima) e Mão Santa (Piauí) no rol de governadores que perderam o mandato por abuso de poder político e econômico. O tucano disse que apelará ao Supremo Tribunal Federal, mas não poderá permanecer no cargo à espera do julgamento do recurso.Cunha Lima foi condenado por distribuir 35 mil cheques - num total de R$ 3,5 milhões - a eleitores do Estado, em 2006, como parte de um programa social que nunca foi oficialmente criado. Em alguns casos, os cheques eram elevados - acima de R$ 1 mil - e dados inclusive para colaboradores do governo, como o chefe da Casa Civil. Um dos cheques chegou a R$ 56 mil.Os sete ministros do TSE, por unanimidade, entenderam que a distribuição de cheques interferiu no resultado das eleições, especialmente porque a diferença de votos entre Cunha Lima e o segundo colocado, José Maranhão (PMDB), foi de apenas 17.650 votos, praticamente a metade do número de eleitores que receberam cheques do governador.Com a decisão do TSE, José Maranhão vai renunciar ao mandato de senador para assumir o governo da Paraíba. Para isso, aguarda apenas a publicação do acórdão do julgamento, o que deve ser feito nas próximas semanas.O TSE ainda pode cassar o mandato de outros sete governadores - Luiz Henrique (SC), Marcelo Déda (SE), Jackson Lago (MA), Ivo Cassol (RO), Marcelo Miranda (TO), Waldez Góes (AP) e José Anchieta (RR). Todos esses têm processos em trâmite no tribunal por denúncias de abuso do poder político e econômico, compra de voto, propaganda antecipada e distribuição de cargos e benesses em período eleitoral.Dois deles - Ivo Cassol e Luiz Henrique - já foram cassados pelos tribunais regionais eleitorais e aguardam julgamento de recurso no TSE.O processo mais adiantado envolve o governador de Rondônia. Cassol é acusado de comprar votos por meio de depósitos bancários no valor de R$ 100 para os eleitores do Estado. Apesar de cassado pelo TRE de Rondônia, o governador permanece no cargo por uma decisão liminar dada pelo TSE. O presidente do tribunal, Carlos Ayres Britto, disse que vai acelerar o julgamento de governadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.