Cassação de Cunha Lima é perseguição, diz presidente do PSDB

TSE determinou a perda de mandato do governador da Paraíba pela prática de abuso de poder político

Agência Brasil

21 de novembro de 2008 | 15h09

O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), saiu em defesa do governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima , filiado a seu partido, e classificou de "perseguição" a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de cassar o mandato dele.   Veja Também:  TSE confirma cassação do mandato do governador da Paraíba   "Não é de agora que o governador enfrenta poderosa e incessante perseguição por parte de derrotados, que não respeitam o resultado das urnas. Temos certeza de que a Justiça terminará por reconhecer o conteúdo e a forma democrática de Cássio Cunha Lima governar e, assim, respeitar a vontade do povo da Paraíba", disse Guerra, em nota.   O TSE determinou a perda de mandato de Cunha Lima por sete votos a zero, pela prática de abuso de poder político e econômico. Ele é acusado de ter se valido, durante o período eleitoral de 2006, da distribuição de cheques para cidadãos de seu estado, por meio de um programa assistencial mantido pela Fundação Ação Comunitária (FAC), instituição vinculada ao governo.   Quem assume o mandato é o segundo colocado nas eleições, o atual senador José Maranhão, do PMDB.

Tudo o que sabemos sobre:
PSDBCassio Cunha Lima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.