Casos de pneumonia atípica continuam aumentando

A Organização Mundial da Saúde (OMS) não consegue fazer com que os números de casos da pneumonia atípica se estabilizem. Até esta segunda-feira, 1,622 casos foram identificados, o que significa que apenas no último fim de semana, mais de 70 pessoas foram contaminadas em todo o mundo e quatro não sobreviveram. A principal preocupação da entidade continua sendo o Sudeste Asiático, onde estão mais de 80% dos casos no mundo da doença. Em Hong Kong, depois que hospitais foram evacuados para que pudessem ser desinfectados e escolas fechadas, os médicos da cidade e da OMS decidiram que alguns prédios inteiros da metrópole fossem desocupados por alguns dias para que o número de casos não continue aumentando. Além disso, a OMS e o governo local pediram que os moradores de um condomínio no bairro de Kowloon fiquem em seus apartamento até o dia 9 de abril. Somente no sábado e domingo, 52 pessoas que vivem nos prédios desse quarteirão foram levados aos hospitais com a doença. Segundo a OMS, o fato de tantas pessoas terem sido contaminadas em apenas um local poderia dar a pista que faltava para que a doença seja identificada. TorontoAlém dos casos no Sudeste Asiático, uma preocupação da OMS é de que a cidade de Toronto, no Canadá, se torne um dos principais focos de transmissão da doença no continente americano. Até agora, 44 estão contagiadas no Canadá, a maioria em Toronto. A cidade também é responsável por todas as qautro mortes registradas no país por causa da doença. Para evitar que os casos em Toronto se espalhem para outros locais, a OMS pede para que as empresas aéreas controlem os vôos que saem da cidade para outros locais no continente americano, inclusive para São Paulo e Rio de Janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.