Casos de dengue podem aumentar em SP, diz secretário

O secretário municipal de Saúde, Eduardo Jorge, voltou a admitir hoje que a cidade de São Paulo terá uma epidemia de dengue e que não dá para impedir o surgimento de um grande número de casos da doença. Durante entrevista à Rádio Eldorado AM/SP, o secretário destacou que um dos motivos que levarão a uma epidemia é o fato de a capital ser uma "cidade mundial" e ter muitos casos importados da doença. "Um grande número de casos da Baixada Santista, do Rio de Janeiro, da Bahia, do interior de São Paulo, vêm até a nossa cidade", explicou. Segundo Jorge, há mosquitos em todas as grandes cidades do País e por isso "é impossível que não haja um aumento no número de casos".O secretário afirmou que a Prefeitura está conseguindo manter o número de casos da doença "bastante controlado", mas ressaltou que a população também precisa colaborar. Até agora há onze casos de dengue que foram contraídos na capital. Para o secretário, a lei que prevê multas para quem mantiver "criadouros" de mosquitos está dando certo e nenhum dos moradores que foram notificados pela Prefeitura precisou ser multado até agora porque corrigiu o problema. "Eu acho que a lei é uma coisa enérgica, antipática, ninguém gosta de multar, mas foi necessária", comentou. Jorge, no entanto, garantiu que não haverá exceção e que os fiscais multarão quando for preciso. Ele advertiu, inclusive, a Secretaria Municipal de Esportes sobre o Autódromo de Interlagos, na zona sul, onde há grande concentração de pneus. "Recebi várias denúncias do disque-dengue e isso e precisa ser corrigido", informou. O secretário ressaltou que nem mesmo o Complexo Penitenciário do Carandiru, na zona norte, escapou. Ele notificou a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária para o problema, mas alertou que a situação persiste.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.