Caso Waldomiro ainda não deve ser apurado por CPI, diz Temer

A bancada do PMDB no Senado vai reunir-se, às 13 horas, em almoço na casa do senador Walmir Amaral (DF), para tomar uma posição conjunta em relação à idéia de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o caso do envolvimento do ex-subchefe de Assuntos Parlamentares da Secretaria de Coordenação Política e Assuntos Institucionais Waldomiro Diniz com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. A estratégia do partido é evitar dissidências em favor da CPI, já que, no Senado, são bem maiores do que na Câmara as possibilidades de abertura de uma comissão de inquérito. O presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP), disse que o fato é muito grave porque envolve um assessor político graduado do governo. "Mas a primeira apuração deve ser feita pela Polícia Federal e, de forma bem rápida. Se, ao final da apuração ou ao longo de seu curso, surgir o envolvimento de outros agentes públicos, aí sim será o caso de o Congresso tomar também imediatas providências, para responsabilizar o envolvido", afirmou. "Penso que esta também deverá ser a melhor posição para o governo, ou seja, o esclarecimento cabal e definitivo desse caso". Na Câmara, o PFL começou a recolher assinaturas para a instalação de uma CPI para apurar o caso Waldomiro Diniz. Segundo o vice-lider da bancada, Onix Lorenzoni (RS), há justificativas suficientes para a criação da comissão. Segundo ele, além dos fatos revelados em fita de vídeo que mostraram Diniz pedindo propina e contribuição de campanha a um bicheiro, há fatos novos, como o atraso da Polícia Federal em cumprir o mandato de busca e apreensão da Justiça. Lorenzoni argumentou que a PF recebeu a ordem judicial no sábado mas só ontem a tarde esteve na casa de Waldomiro. "O tempo da ingenuidade passou. Evidente que houve tempo para apagar documentos", disse. Lorenzoni afirmou ainda que o partido na Câmara está autorizado pelo presidente do PFL, Jorge Bornhausen (SC), a recolher assinaturas para a CPI. Ontem a noite, os vice-líderes do PFL na Câmara se reuniram com Bornhausen. Lorenzoni afirmou que além das denúncias envolvendo Waldomiro quando era presidente da Loterj a CPI precisa investigar a atuação dele na Casa Civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.