Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Caso Santini fará governo mudar regras para uso de aviões da FAB, diz Onyx

Ex-chefe de assessor demitido por voar em jatinho da Força Aérea diz que governo quer tornar regras mais claras; responsável pela Casa Civil ainda afirmou em entrevista que Weintraub segue no comando do MEC

Gabriel Caldeira, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2020 | 11h30

BRASÍLIA - O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse na manhã desta segunda-feira, 3, que estão em análise alterações nas regras para uso dos aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) por representantes do governo. A iniciativa, que ocorre após o ex-secretário da pasta, Vicente Santini, ter sido demitido em decisão do presidente Jair Bolsonaro por ter usado um jatinho da FAB para viajar à Índia, onde estava a comitiva presidencial, foi antecipada pelo Estado

Em entrevista à Rádio GaúchaOnyx, que perdeu o comando do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) e viu sua pasta ser ainda mais esvaziada por Bolsonaro com a repercussão negativa do episódio envolvendo Santini, falou em tornar "mais claras" as normas.  "Vamos trabalhar para tornar isso (as regras para o uso dos aviões) mais claro", disse o ministro. 

Segundo Onyx, o modelo que norteará o novo regulamento é uma normativa da Organização das Nações Unidas (ONU)que trata do uso de aviões por membros de governos. As novas normas levarão em conta três critérios para permitir as viagens: distância percorrida, faixa etária e volume de trabalho.

Sobre a crise iniciada com a demissão de Santini, ocorrida enquanto Onyx estava em férias, o ministro disse que "essa é uma situação a ser ajustada, passível de várias interpretações". O ministro ainda elogiou o ex-secretário, mas afirmou que a decisão de Bolsonaro deve ser respeitada.

"Santini sempre foi uma pessoa correta e teve comportamento adequado, é preparado. Mas, na opinião do presidente, ele cometeu um equivoco", disse. Perguntado se permitiu a viagem feita por Santini, Onyx reiterou que estava em férias durante o período e, por isso, não participou da decisão.

O governo não informa o custo da viagem, mas, de acordo com oficiais da FAB ouvidos pelo Estado, um deslocamento como este não sai por menos de R$ 740 mil. 

Weintraub fica

Mantido no cargo por Bolsonaro, Onyx afirmou que o presidente não pretende fazer uma reforma ministerial neste início de segundo ano de mandato. De acordo com o comandante da Casa Civil, seu colega Abraham Weintraub, ministro da Educação, não será substituído, como sugerem até aliados do governo.

As críticas sobre a atuação de Weintraub à frente do MEC se intensificam desde a revelação de erros na correção de parte das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A falha provocou a prorrogação do prazo de inscrições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e judicializou todo o processo.

Apesar dos conselhos de aliados e pressão para a substituição, o presidente e os filhos, principalmente o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), gostam do ministro e de seu estilo "polêmico nas redes sociais". Mas a pressão dos que querem a sua saída só cresce. Na semana passada, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), afirmou que Weintraub "atrapalha o Brasil e coloca em risco o futuro das crianças".

O Movimento Brasil Livre (MBL), que apoiou Bolsonaro durante a eleição, pediu publicamente a demissão do ministro. "A presença do ministro Weintraub é incompatível com um governo que, durante a campanha eleitoral, prometeu um ministério de notáveis", disse o grupo.

Ao comentar a situação de Weintraub, Onyx afirmou que pretende almoçar com o colega nesta terça-feira, 4. "Sou um bom bombeiro", brincou. Antes, na mesma entrevista, afirmou que tratou do assunto em um café com Maia. "Acho que podemos levantar bandeira branca aí. A conversa com ele foi muito boa nesse sentido."

Para Onyx, as reações contra o ministro da Educação se devem às suas posições na chefia do MEC. "Abraham tem conteúdo ideológico forte e, por isso, as reações. Somos um governo de aliança conservadora e liberal, muitos dos nossos posicionamentos são interpretados equivocadamente", explicou Onyx, que é bastante próximo de Weintraub e responsável por indicá-lo à pasta de Educação.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.