Caso Renan será julgado pelo plenário na terça-feira

Será na próxima terça-feira ojulgamento pelo plenário do pedido de cassação do presidentelicenciado do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O anúncio foifeito pelo presidente interino, Tião Viana (PT-AC), após a CCJter aprovado a constitucionalidade do parecer que recomenda aperda de mandato por quebra de decoro parlamentar. "Se tem uma pessoa interessada em acabar logo com isso, éRenan", disse Tião Viana a jornalistas. O relatório apresentado pelo senador Arthur Virgílio(PSDB-AM) foi aprovado nesta quarta-feira na Comissão deConstituição e Justiça por 17 votos e três contra. "Não tenho dúvidas que o senador Renan cometeu crime dequebra de decoro e deve perder o mandato, por tudo que constano relatório aprovado no Conselho de Ética e por outros motivosde convicção pessoal", afirmou Virgílio. O tucano avaliou que o texto do senador Jefferson Péres(PDT-AM), que recomenda a cassação de Renan por quebra dedecoro e foi aprovado no Conselho de Ética do Senado há 14dias, não tem quaisquer vícios de legalidade e atende aospressupostos constitucionais. Para o senador Almeida Lima (PMDB-SE), aliado de Renan,"indício não é prova, o que se cometeu aqui foi umairregularidade". Neste processo, Renan é acusado de ter usado "laranjas"para a compra de veículos de comunicação em Alagoas. Elesserviriam para esconder a participação do senador na mídia. OCódigo de Ética e Decoro Parlamentar proíbe parlamentares depossuírem veículos de comunicação. Se tiver o mandato cassado, Renan ficará inelegível até2019. Ele já foi absolvido, em setembro, da acusação de pagarpensão com recursos de um lobista, e ainda se livrou, noconselho, de representação sobre favorecimento a umacervejaria. Há outras duas representações contra ele emtramitação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.